Blog do Ohata

Arquivo : Andres Sanchez

Sem Andres, Roberto de Andrade encara novo desafio para se manter no cargo
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, já tem um novo desafio para se manter no cargo: Trata-se da votação do balanço de 2016, cuja rejeição pode levar a um novo pedido de impeachment e que foi marcada para o dia 27, quinta-feira da próxima semana.

A oposição já trabalha para que as contas sejam rejeitadas.

A diferença para a votação que vetou o andamento do processo impeachment Roberto de Andrade, em fevereiro, é que o presidente não deverá contar com o apoio do ex-padrinho Andres Sanchez, a quem recorrera para angariar votos contra o risco de impeachment.

Rompido com Roberto de Andrade, Andres declarou que “nada mais tem a ver com a sua gestão”. A interlocutores, Andres comenta que a possibilidade de a composição com Roberto de Andrade ser retomada inexiste.

Pelo estatuto do Corinthians, a votação das contas teriam que acontecer até o fim deste mês. O anúncio da data era esperada ansiosamente por membros da oposição.

O balanço foi encaminhado pela diretoria financeira apenas na última terça-feira, motivo pelo qual foi repassado aos conselheiros sem ter sido analisada pelo Conselho Fiscal e pelo Conselho de Orientação.

Uma das alegações de oposicionistas para pedir a rejeição do balanço é que ele não teria sido realizado por uma auditoria independente, uma exigência da Lei Pelé.

Segundo o balanço, o departamento de futebol registrou um superavit de R$ 59, 2 milhões, sendo que a principal fonte de receita foram os direitos de transmissão de TV (R$ 280 milhões).

O departamento social e de esporte amadores, segundo o balanço, registrou déficit de R$ 28,2 milhões no período.

No total, o superavit foi de R$ 31 milhões.


Andres Sanchez lança conta no Instagram para falar sobre Corinthians
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O ex-presidente do Corinthians Andres Sanchez lançou uma conta no Instagram para falar exclusivamente sobre o clube do Parque São Jorge.

Como Andres cumpre atualmente mandato como deputado federal (PT), e passa grande parte do tempo em Brasília, o ex-cartola resolveu lançar a conta para poder se comunicar com a mídia e com os torcedores quando os temas forem Corinthians e futebol.

A conta não servirá para falar sobre política, mas provavelmente a usará para se manifestar sobre eventuais polêmicas, o blog apurou.

Andres não planeja “dar pitacos” na administração de Roberto de Andrade, mas provavelmente usará o instagram para se pronunciar quando seu nome for levantado em assuntos ligados ao Corinthians.

A primeira postagem de sua conta (andressanchez_oficial) é uma imagem sua, à frente do escudo do Corinthians, fazendo o símbolo de “seis” com os dedos da mão, em alusão aos seis títulos nacionais do clube.

Há também na página um breve currículo do cartola, com seu período à frente do clube e sua atuação como diretor de seleções da CBF.


‘Não tenho mais nada a ver com Roberto de Andrade’, dispara Andres Sanchez
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O ex-presidente do Corinthians Andres Sanchez afirma que nada tem mais nada a ver com as decisões do atual presidente e ex-afilhado político, Roberto de Andrade. O distanciamento, porém, vai além de ingerência ou não na atual gestão do clube.

A interlocutores, Andres diz que a possibilidade de a composição com Roberto de Andrade ser retomada inexiste, o blog apurou.

A declaração do ex-presidente é o último capítulo de um relacionamento bastante conturbado com o atual mandatário.

Há alguns meses, Andres procurou Roberto no clube para dar conselhos, porém foi recebido com uma porta na cara, pois Roberto não o atendeu, confirmou um membro da atual diretoria do clube do Parque São Jorge, o que deixou Andres bastante insatisfeito. O cartola já fora “esnobado” em outras tentativas anteriores de contato por telefone.

Mais recentemente, Andres foi procurado por Roberto de Andrade, às vésperas da votação do pedido de impeachment. O encontro, no apartamento de Andres, foi intermediado por um conhecido em comum a pedido do atual presidente.

Houve, de fato, de última hora um trabalho forte nos bastidores de Andres para colher votos para que Roberto não fosse afastado do poder.

Nesse meio tempo, Andres também afirmou que nada mais tinha a ver com o dia-a-dia da Arena Corinthians.

Por meio de comunicado oficial, Andres nega que tenha indicado dirigentes para qualquer cargo no Corinthians ou feito lobby por sua permanência no passado recente. Veiculou-se que o ex-presidente fez força para garantir a permanência de Dyego Coelho, ex-lateral corintiano, como treinador do sub-20.

Leia a íntegra do comunicado:

“Nota Andrés

Andrés Sanchez esclarece que não tem nenhuma ligação com as atuais decisões do Corinthians.

Com o noticiário que vem sendo veiculado na imprensa nos últimos dias, esclareço que:

Não indiquei a quem quer que seja, qualquer dirigente, para qualquer cargo ou área do Corinthians, e isso já tem muito tempo. Tampouco, fiz qualquer pedido para a manutenção de profissionais que prestam serviços ao clube.

Qurero enfatizar que a última vez que conversei com o presidente do Corinthians foi antes do pedido de impeachment, e na ocasião, falamos apenas sobre o processo de impeachment a que ele estava sendo submetido.

Eu não falo sobre a administração do clube e cargos com o mandatário do clube há muito tempo. Entendo que todas as decisões devem ser dele e de sua responsabilidade. Sempre que fui chamado ou solicitado, colaborei pela experiência que acumulei pela ex-presidência do clube. Me reservo ao direito de não me pronunciar inclusive publicamente sobre qualquer assunto relacionado a administração para evitar qualquer tipo de situação que prejudique o Corinthians.”

 

 

 

 


Andrade escapa de impeachment, mas enfrentará novo desafio em dois meses
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, que escapou do impeachment na noite desta segunda-feira, enfrentará novo desafio na arena política dentro de dois meses, quando as contas referentes à gestão do ano passado serão votadas no conselho deliberativo.

De novo, o mandatário terá de mostrar articulação política para dirigir o clube, já que o item C, do artigo 106 do estatuto do clube aponta que será motivo para requerer a destituição da administração, presidente e vices, não ter as contas de sua gestão aprovadas.

Não é segredo que pesou, e muito, o apoio do ex-presidente Andres Sanchez para Andrade se manter no cargo. A paz foi selada em uma reunião de emergência, na última sexta-feira. Até então, Andres e Andrade andavam distantes.

A questão é se Andrade contará daqui a dois meses, de novo, com o apoio de seu ex-padrinho político para demonstrar força.

Andres quer que Andrade deixe a casa em ordem, que arrume politicamente o clube. Ou seja, quer que deixe claro quem é situação e oposição, e qual é o papel de cada um, o que em sua visão ajudaria a acabar com o desequilíbrio pelo qual o clube passa atualmente.

E orientou Andrade a deixar de lado a política centralizadora e que fique aberto às pessoas à sua volta que podem ajudá-lo.


‘Não tenho mais nada a ver com a Arena Corinthians’ afirma Andres Sanchez
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O derradeiro laço que unia o ex-presidente corintiano Andres Sanchez à administração do atual mandatário do clube do Parque São Jorge, Roberto Andrade, foi desfeito.

Andres afirma que nada mais tem a ver com a administração da Arena Corinthians, onde costumava dar expediente às segundas-feiras, antes de embarcar no meio de semana para Brasília, onde cumpre mandato de deputado federal.

Até agora era tido que Andres era o cartola do Corinthians que estava à frente do estádio do clube do Parque São Jorge.

“Não tenho mais nada a ver com a administração da arena há algum tempo, quem cuida disso agora é o [diretor financeiro do clube, Emerson] Piovesan e o Roberto [Andrade]. Não estou mais indo à arena”, afirma Andres. “Mas, como corintiano, se for chamado para ajudar, vou atender.”

Andres estava à frente do projeto da Arena Corinthians desde seu início. Ao ser questionado sobre há quanto tempo deixou de tratar diretamente do estádio, Andres afirmou que desde o ano passado, há cerca de sete meses.

Mas não é segredo que a distância entre Roberto Andrade e o aliado e padrinho político Andres vem aumentando nos últimos meses.

Pessoas próximas aos cartolas classificam o resultado do articulado encontro da dupla, há poucas semanas, entre inócuo e desastroso.


Odebrecht acusa Corinthians de omissão na manutenção de estádio
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O Corinthians é acusado pela Odebrecht de ficar de braços cruzados em relação a um problema identificado pela auditoria do clube e também de impedir o acesso de integrantes de sua equipe à Arena Corinthians para realizar atividades de prevenção e manutenção, segundo documentação encaminhada ao clube à qual o blog teve acesso.

A nota enviada ao Corinthians reclama que técnicos da Odebrecht identificaram na última sexta-feira [dia 18/11] grande quantidade de lama no reservatório de amortecimento de água de chuvas, um piscinão, como o que existe nas imediações do estádio do Pacaembu. A situação aumenta o risco de acontecer uma enchente nas imediações do estádio.

“Esse material se acumulou ao longo de vários meses e hoje [23 de novembro] tivemos a confirmação de que esta ocorrência já havia sido anteriormente identificada pela auditoria contratada pelo Clube, sem que fosse tomada qualquer providência anterior a esse respeito”, acusa a nota, ao apontar que o Corinthians não segue ações preventivas que constam no manual de uso e operação.

O comunicado à presidência do Corinthians ressalta que a manutenção da arena é de responsabilidade do clube e ressalta que se essa tivesse sido mais eficaz, o problema identificado “teria sido solucionado há mais tempo, pois não restam dúvidas de que o fato não é recente”.

“Em função do início do período chuvoso, decidimos por precaução, pela imediata mobilização de recursos para a limpeza do local, remoção do material e avaliação das causas. Após análise técnica, identificou-se o desacoplamento de parte das tubulações de águas pluviais na chegada ao piscinão, ocasionando o carreamento do material [lama] no local.”

As chuvas de verão, diz a nota, aumentam o risco de enchentes caso o piscinão siga sem a devida manutenção.

A Construtora relata ter mobilizado um especialista em geotecnia, que esteve na arena na segunda [21/11/2016] para orientar tecnicamente as soluções e ajustes e verificar eventual comprometimento estrutural, o que foi imediatamente descartado.

“Os trabalhos são necessários em função da proximidade do período de chuvas e já estavam em andamento desde a segunda-feira [dia 21/11/2016], até que hoje [23/11/2016] o clube, em conjunto com seu escritório de advocacia, Molina & Reis, de forma unilateral, suspendeu as atividades e ordenou a desmobilização imediata das equipes, inclusive com proibição de acesso de funcionários da Odebrecht na arena.”

Ao finalizar, a Odebrecht alerta que os trabalhos de limpeza devem ocorrer o quanto antes e lava as mãos no caso de continuar sendo impedida de vistoriar o local e fazer os ajustes que acredita serem necessários.

“A construtora se exime de responsabilidade pelas consequências de sua paralisação [da fiscalização e manutenção], bem como dos impactos decorrentes da falta de inspeções de rotina ou manutenção do estádio.”

O Corinthians se pronunciou oficialmente sobre a “guerra” com a empreiteira em nota assinada pelo presidente Roberto de Andrade.

O Sport Club Corinthians Paulista não pode permitir que, após as declarações do funcionário e engenheiro da Odebrecht,  Ricardo Corregio, na própria mídia e por e-mail ao Clube, afirmando, que a obra “está concluída” (sem a concordância/aceite do Clube), que não há riscos ao público e que não entregará mais documentos/Contratos com Terceiros para a auditoria da obra, dentre outras, venha a fazer “reparos”, que, na realidade, parecem verdadeiras obras, mais precisamente desde o último final de semana, sem que cumpra regras básicas, sob pena de comprometer a referida auditoria que está sendo realizada, bem como impedir que o Clube tenha real conhecimento do que efetivamente “é” a obra da Arena Corinthians.

O que fiz, na qualidade de Presidente do Clube, foi disciplinar trabalhos que estavam sendo realizados pela construtora, mesmo após determinação desta Presidência quanto às regras e cautelas necessárias, sendo algumas: apresentação da causa, local exato, empresa que trabalhará, projeto e registros necessários (ART/CREA/Prefeitura/…), quando for o caso, além dos efeitos da não realização dos trabalhos em questão.

Engenheiros da CNO nos enviaram e-mail afirmando que estariam fazendo “visitas” nas redes de drenagem e, posteriormente, foi constatado que, na realidade, trata-se de uma “obra” bem significativa, com concretagem de mais de 1,5m de altura, o que confirma a necessidade de regras a serem seguidas.

O Sport Club Corinthians Paulista, independente das pessoas que o dirijam, a qualquer época, deve ser preservado como instituição, assim como seu torcedor e público na Arena, sendo exatamente este o motivo da exigência de se cumprir as etapas que devem ser seguidas para tais intervenções. A ausência de respeito a isto, pode nos dar a entender que algo possa estar sendo omitido pela equipe da construtora e, que poderia vir a prejudicar os levantamentos da Auditoria da Obra e ao próprio conhecimento do Clube a respeito de fatos relevantes quanto ao estádio.

Roberto de Andrade

 


‘Não há risco para utilização da Arena Corinthians’, diz Ministério Público
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O Ministério Público de São Paulo não encontrou irregularidades após vistoriar a Arena Corinthians que levem a crer que o estádio possa desabar ou corra risco de deslizar para a Radial Leste. A vistoria em Itaquera aconteceu no último dia 9.

“A Promotoria de Habitação e Urbanismo da Capital esclarece que foi realizada vistoria no Estádio Arena Corinthians pelos técnicos do Centro de Apoio à Execução do Ministério Público, que concluiu que ‘não há risco para a utilização do estádio, assim como para o estacionamento’ para a realização de eventos esportivos e de natureza diversa”, confirmou, de forma oficial, o Ministério Público.

A ”Folha de S.Paulo”, assim como o Blog do Juca, publicaram, há poucos dias, matéria intitulada ”Corinthians encontra vazamento em Itaquera e teme deslizamento”.

O próprio presidente corintiano, Roberto de Andrade, demonstrara durante entrevista coletiva estar preocupado com a situação e com o bem-estar de torcedores e frequentadores. Ele chegou a questionar a Odebrecht, que afastou riscos.

O engenheiro da Odebrecht Ricardo Corregio, responsável pela área de contratos com a Arena Corinthians, havia explicado que “os episódios que voltaram à tona agora se referem a um vazamento de água de fevereiro de 2015 e à erosão de uma canaleta em janeiro deste ano, os quais já foram sanados e não são correlatos. A defesa civil e o Crea podem atestar o que estou falando”.


‘Sem obras adicionais’: Odebrecht rebate ‘declaração de guerra’ corintiana
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Odebrecht não realizará obras adicionais na Arena Corinthians, cobradas pelo clube para aumentar a funcionalidade do estádio, e tampouco fornecerá à firma de auditoria mais documentos além daqueles já disponibilizados, outra exigência de cartolas corintianos.

“O quinto aditivo ao contrato prevê que o custo total do estádio seria de R$ 985 milhões e que gastos que eventualmente extrapolassem o orçamento poderiam ser compensados [com custos para baixo] em outros itens”, explicou ao blog o engenheiro Ricardo Corregio, responsável da Odebrecht pela área de contratos no que se refere à Arena Corinthians. “E os contratos da Odebrecht com empresas terceirizadas são protegidos por cláusulas de confidencialidade, portanto não serão encaminhados à auditoria.”

Trocando em miúdos a primeira declaração de Corregio, em uma comparação hipotética, o engenheiro quis dizer que se o orçamento do estádio era de R$ 985 milhões, e foram gastos R$ 900 milhões com as fundações da arena, o custo de todo o resto, como gramado, decoração, cobertura, etc, teria de se encaixar dentro de R$ 85 milhões (veja cláusula do aditivo à qual Corregio se refere ao fim do post).

A segunda parte da declaração do engenheiro é auto-explicativa.

Na semana passada, conforme publicado no post “Aliados de Andrade comemoram ‘declaração de guerra’ contra Odebrecht, no Blog do Perrone, aliados do presidente corintiano comemoraram a adoção de tom duro de Roberto Andrade em relação à construtora.

Cartolas corintianos, que já ameaçaram ir à Justiça contra a Odebrecht, reclamam que a construtora teria entregado o estádio com itens faltando, e que para se ter ideia do que falta, a construtora precisa encaminhar para a auditoria alguns documentos que faltam.

Lista da construtora mostra que o orçamento “estourou” em itens como gramado (R$ 4 milhões para R$ 6,6 milhões) cabines de transmissão, cobertura e até com gasto com pessoal (contratos de trabalho), entre outros itens.

Na empreiteira também é questionada a necessidade de mais documentos para verificar itens que não teriam sido entregues. Segundo técnicos, basta comparar o projeto original ao “as built”, espécie de relatório de acompanhamento de construção da obra.

 

Clausula do 5º aditivo

Clausula do 5º aditivo

img250


Em carta, Odebrecht responde questionamento de Corinthians sobre segurança
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Odebrecht respondeu oficialmente ao presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, questionamento feito pelo cartola à construtora sobre a segurança da Arena Corinthians.

“Do ponto de vista técnico, não existe qualquer motivo para interditar a Arena ou suspender sua utilização. Corrobora esse posicionamento o fato da Arena Corinthians ter renovado, em Julho/2016, o Alvará de Funcionamento. Além disso, todos os demais laudos de segurança, emitidos pelos órgãos que fiscalizam periodicamente as instalações, estão vigentes”, explica a carta da Odebrecht ao presidente corintiano, datada de 2 de novembro de 2016, à qual o blog teve acesso (confira reprodução da carta ao fim do post).

“[As matérias que falam sobre vazamentos e erosão da arena] baseiam-se em eventos extemporâneos, identificados ainda no ano de 2015 e solucionados imediatamente, sem qualquer custo para o Clube e nenhum comprometimento da integridade da estrutura do Estádio”, prossegue a carta.

O questionamento do presidente Roberto de Andrade foi provocado por matéria publicada na “Folha de S.Paulo”, assim como pelo Blog do Juca, intitulada “Corinthians encontra vazamento em Itaquera e teme deslizamento”.

Para assegurar a segurança da arena, técnicos da Odebrecht citam alvará emitido pela Prefeitura de São Paulo, em 21 de julho deste ano, laudos de engenharia, segurança e prevenção e combate a incêndios. Eles apontam que os laudos foram emitidos após o episódio de vazamento, identificado em fevereiro de 2015, e ao de erosão, que aconteceu entre o fim de 2015 e o início deste ano.

Leia abaixo a íntegra da carta da Odebrecht ao Corinthians:

 

img241

Carta da Odebrecht em resposta a questionamento do presidente corintiano Roberto de Andrade sobre a Arena

img242

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


‘Tudo passou por Fifa, fundo e COL’, diz Andres sobre denúncia de Copa-14
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O ex-presidente corintiano Andres Sanchez rebateu a denúncia de que por seu intermédio uma empresa de formaturas sem experiência em grandes eventos faturou R$ 15 milhões com a Copa na Arena Corinthians.

“A Contratação [da empresa Stillo`s] passou pela Fifa, COL (Comitê Organizador Local) e cotistas do fundo [da Arena Corinthians]. O Corinthians estava lá para fiscalizar o que a empresa estava fazendo”, explicou Andres. “Mas a contratação dela fez um gasto projetado de R$ 130 milhões cair para R$ 90 milhões. Verifique as cotações com o fundo, que inclusive é fiscalizado por auditoria externa por exigência da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).”

A revista “Época” publicou uma matéria intitulada “Uma empresa de formaturas faturou R$ 15 milhões com a Copa na Arena Corinthians”, na qual é relatado que a Stillo faturou R$ 15 milhões para “integrar pessoas” por conta da operação de overlay (estruturas temporárias). Segundo a revista, a Tecnotrade, empresa que gerenciou as obras de overlay e que contratou a Stillo, cuja sócia teria sido levada ao clube por Andrés, ganhou R$ 3,6 milhões, ou quatro vezes mais do que a empresa contratada. Os custos, ainda segundo a publicação, foi repassado para a operação do estádio.

Segundo Andres, entre as tarefas de Andréa, com quem nega ter qualquer tipo de relacionamento extra-profissional e que afirma já frequentar o clube antes de sua empresa ser contratada para a Copa, estava a coordenação de cerca de 1.500 profissionais.

“Na Arena, que recebeu a abertura, tinha dia que havia 150 caminhões [de emissoras de TV], cabos, fibra ótica, aluguel de equipamentos, até de carpete e outros detalhes, já que o estádio não estava com o acabamento pronto ainda”, explica ele. “Mas agora tudo que tem a ver com Corinthians colocam na minha conta.”