Blog do Ohata

Arquivo : Liga dos Campeões

Globo já se conforma em ficar sem parceiro e deve exibir Brasileiro sozinha
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A cerca de apenas um mês do início do Brasileiro-2017, a Globo não recebeu sequer um esboço de proposta para sublicenciamento da competição de qualquer um de seus pares na TV aberta.

No ano passado, chegou a executivos da emissora proposta que não agradou. Mas este ano, por enquanto, nem isso foi apresentado.

Na emissora já é dado como certo que a transmissão do Nacional será feito com exclusividade na TV aberta pela emissora, o blog apurou.

Os principais motivos para pessimismo em relação a uma parceria é financeiro. Além da crise econômica pela qual o país passa, que tem afetado o mercado publicitário, a cada dia que passa se torna mais difícil para um eventual parceiro viabilizar um plano comercial para a atração, que normalmente é levado a mercado para captação com meses de antecedência do início de uma atração desse porte.

Um diretor de uma TV aberta que já investiu forte em esporte, explica que não se trata apenas de adquirir os direitos de transmissão.

Feito o acerto com a Globo, seria necessária a contratação de um largo elenco de profissionais para compor sua equipe de transmissão de jogos, eventualmente com “nomes” caros, em um momento em que as emissoras de TV aberta têm anunciado cortes.

Além disso, há gastos com a logística: Aluguel de caminhões para transmissão, passagens aéreas, hospedagem para equipe composta por narrador, comentarista, repórter, técnico de som, cinegrafista, motorista etc.

Parte dessa equipe costuma se deslocar antes do dia da partida, para acompanhar o dia-a-dia dos clubes “grandes” quando estes jogam fora.

O formato do produto também é diferente, já que se trata de um programa com dois blocos de 45 minutos, o que oferece menos espaço para comerciais do que outros tipos de programas.

No ano passado a Band, tradicional parceira da Globo, anunciou poucos dias antes do início do Nacional, que por “questões financeiras” não iria transmitir o Brasileiro e neste ano tampouco transmitiu o Paulista.

Por questões ligadas à produção é mais fácil um canal adquirir competições que já chegam “prontas”, como a Liga dos Campeões ou a Copa das Confederações, pois pode ser transmitida “off tube”, ou seja, de um estúdio de onde a equipe do canal acompanha os jogos por um monitor.

Mesmo sem perspectivas de um parceiro e o cenário trabalhado internamente ser o de uma transmissão exclusiva, a emissora ainda está oficialmente aberta a parcerias.

Um indício de que a emissora busca parceiros é o trabalho de sinergia no aproveitamento de equipamentos de transmissão que vem sendo feito nos jogos com os caminhões de transmissão. Se antes Globo e SporTV, braço na TV por assinatura da Globosat, levavam cada um seus próprios caminhões aos estádios onde as partidas são disputadas, a ordem agora é para compartilhar quando possível para conter gastos.


Por que é mais fácil a Band optar pela C. das Confederações ao Brasileiro
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo sublicenciou à Band os direitos de transmissão da Copa das Confederações na TV aberta. As emissoras já mantém um acordo em moldes semelhantes em relação aos direitos da Liga dos Campeões.

Segundo planejamento inicial, a Globo transmitiria seis partidas da Copa das Confederações, número mínimo de jogos da competição a ser exibidos na TV aberta, uma exigência da Fifa.

Porém com a entrada da Band, o número de transmissões da competição pela Globo pode diminuir sem ferir cláusulas contratuais.

A competição, que acontece entre 17 de junho e 2 de julho, na Rússia, não contará com a seleção brasileira, que foi eliminada da Copa América pelo Paraguai.

Apesar de Globo e Band não terem mantido a tradicional parceria nas últimas edições do Brasileiro e Paulista, por razões financeiras, os acordos são mais fáceis quando se trata de competições internacionais, como a Copa das Confederações ou a Liga dos Campeões.

Os custos de produção de uma Copa das Confederações é bem menor do que um Brasileiro.

Quando se trata do Nacional, há custos envolvendo a logística, com transporte e acomodação de equipe que conta com narrador, comentarista, repórter de campo, técnico de som, cinegrafista. Há também gasto com aluguel dos caminhões de transmissão e satélite.

Na transmissão “off tube”, realizada em estúdio na própria emissora, o gasto, a grosso modo, se resume à compra dos direitos, recepção do sinal, e pagamentos do narrador, comentarista, produtor e editor.

 

 


Aquisição bilionária nos EUA respinga em rival da Globo por Brasileirão
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A aquisição da Time Warner pela gigante da telefonia americana AT&T, anunciada no sábado, respinga no Esporte Interativo, rival do SporTV, braço na TV a cabo da Globosat, pelos direitos do Brasileirão 2019-24.

A Lei 12.485, que trata da TV paga no país, proíbe o cruzamento das atividades de programação e distribuição.

A AT&T adquiriu a DirecTV, controladora da Sky no Brasil, há dois anos; e a Time Warner e o grupo Turner, dono do Esporte Interativo, se fundiram na década de 90.

Ou seja, canal (Esporte Interativo) e operadora (Sky) agora são propriedades do mesmo grupo.

Até mesmo nos EUA é esperado que a autoridade reguladora aponte quais propriedades deverão ser negociadas pelo novo grupo.

Foi por causa da legislação brasileira que a Sky descontinuou há alguns anos seu canal esportivo no Brasil, o Sports +.

Para quem não se lembra, o Sports + chegou a ter os direitos de transmissão dos jogos do Campeonato Espanhol, da Liga dos Campeões, da NBA, liga norte-americana de basquete, e de torneios de tênis. O canal entrou na mira do governo justamente por ser propriedade da operadora Sky. Propriedade exclusiva ou majoritária, nesse caso, são vetadas pela legislação nacional.

O canal Esporte Interativo, do grupo Turner, e o SporTV, da Globosat, travam uma disputa pelos direitos do Brasileirão a partir de 2019. Os dois canais fecharam contratos individuais com dezenas de times nacionais de futebol.

Vale lembrar que cada um dos canais só poderá transmitir uma partida caso os dois times que se enfrentarem tiverem contrato fechado com o canal. No caso, o que prevalece não é o mando de campo, mas o que determina a Lei Pelé.

O destaque atual da programação do Esporte Interativo é a Liga de Campeões.

O blog entrou em contato com o canal Esporte Interativo no fim da tarde da última sexta-feira, antes do anúncio da aquisição, e nesta segunda-feira para posicionamento sobre a repercussão no Brasil da aquisição da Time Warner pela AT&T, mas o canal não se pronunciou até o momento.


Globo recupera Inter a partir de 2021 e fecha direitos para todas as mídias
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O Internacional fechou com a Globo/Globosat os direitos de seus jogos no Campeonato Brasileiro em todas as mídias (TV aberta, fechada e pay-per-view) para o período entre 2021-24. O clube gaúcho havia acertado com o Esporte Interativo, na TV fechada, os direitos do biênio 2019-20.

À época em que negociava com o Esporte Interativo, dirigentes do Internacional chegaram a “fechar a porta” para representante da Globo.

Parte do grupo Turner, o Esporte Interativo, que conseguiu inclusão nas grades das operadoras NET e Sky, precisa de eventos de futebol ao vivo para preencher sua grade de programação. Hoje, sua principal atração é a Liga dos Campeões. A Copa do Brasil também despertou o interesse do Esporte Interativo, que chegou a fazer proposta à CBF pela competição.

Porém executivo da Globo conseguiu desde então abrir negociações com o clube, que foram concluídas entre a noite de ontem e a manhã desta quarta-feira.

Pesou na decisão do clube o fato de a Globosat, via SporTV, ter conseguido atrair um maior número de clubes mais atraentes do ponto de vista comercial: os principais que assinaram com o Esporte Interativo foram Santos, Inter, Atlético-PR e Coritiba.

Além disso, foi visto com bons olhos o fato de a Globo/Globosat ter aceitado o modelo 40-30-30 de repartição de dinheiro, muito semelhante ao adotado na Europa.

O primeiro clube a ter fechado com o Esporte Interativo pelo biênio 2019-20 a assinar com a Globo/Globosat durante o período entre 2021-24 foi a Ponte Preta.


Globo está sem parceira para transmitir jogos do Paulista-2017 na TV aberta
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo está sem parceira para transmitir os jogos do Paulista-2017 na TV aberta, assim como aconteceu com o Brasileiro-2016, o blog apurou. A Band foi a parceira da Globo na última edição do Estadual e do Brasileiro-2015.

Porém a emissora paulista deixou este ano de exibir partidas do Nacional em parceria com a Globo. À época do anúncio de que a Band deixaria de transmitir os jogos do Brasileiro, pouco antes do início da competição, a razão alegada foram “motivos financeiros”.

Fontes ligadas à negociação entre as emissoras confirmaram que elas, até o momento, tampouco chegaram a um acordo sobre o Estadual do ano que vem.

O fato de a Band ter os direitos de transmitir a Liga dos Campeões não pode ser usado como um parâmetro.

Primeiro, porque o desembolso com a competição da Uefa é bem mais modesto do que o que ocorre com o Brasileiro e o Paulista. No primeiro caso, o produto chega pronto, no segundo, há os custos com logística, por exemplo. Até a forma de transmissão é diferente: Enquanto a Globo não transmite as primeiras partidas da Champions, e para isso necessita que outro canal o faça, a emissora transmite os jogos do Paulista e do Brasileiro desde o início das competições.

Ou seja, Paulista e Brasileiro são bastante similares, bem diferentes da Liga dos Campeões.

Até mesmo no caso da Liga dos Campeões, pelo menos uma outra emissora de TV aberta baseada em São Paulo havia sido procurada pela Globo, até que a Band confirmasse os direitos desta edição da competição à última hora.

A necessidade da Globo por uma parceira não passa pelo Cade (Conselho de Administração de Defesa Econômica), mas pelo financeiro. Busca-se um parceiro para dividir os custos logísticos. Desde o início do ano, têm se buscado maior sinergia entre Globo e Globosat (SporTV), resultando em iniciativas como o compartilhamento do uso dos caminhões de transmissão de sinal. A proposta foi posteriormente estendida a emissoras parceiras, que também adotaram a prática.


Confira quem foi que sondou o Santos e ofereceu proposta por Leandro Damião
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Leandro Damião em ação pelo Betis, em março (Xinhua/UE Syndication/ZUMAPRESS)

Leandro Damião em ação pelo Betis, em março (Xinhua/UE Syndication/ZUMAPRESS)

O Atlético-MG, que no passado já havia manifestado interesse em Leandro Damião, voltou a sondar o Santos com interesse no centroavante como reforço para o Campeonato Brasileiro, este blog apurou.

Mas se o clube mineiro não chegou a apresentar uma proposta formal, um time de fora do Brasil se antecipou e já o fez.

Trata-se do Athletikos Podosferikos Omilos Lefkosias, ou simplesmente Apoel, do Chipre, que apresentou proposta oficial ao clube.

O Apoel tem tradição em contar com brasileiros em suas fileiras, o que o levou a participações surpreendentes na Liga dos Campeões.

Já o Atlético-MG, que tem o ex-santista Robinho em seu elenco, chegou em 2014 a brigar pelo jogador, porém perdeu a disputa pelo atacante para o rival Cruzeiro, cuja camisa o atacante defendeu no ano seguinte.

VEJA TAMBÉM:

7 últimas do Mercado da Bola: campeão mundial na mira e mais troca-troca?

Temporada europeia terminou e fez emergir novos craques populares


Globo triplica premiação a clubes por título do Brasileiro a partir de 2019
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo triplicou, em relação à premiação do ano passado, o bônus que o clube campeão do Campeonato Brasileiro levará a partir de 2019: De R$ 10 milhões em 2015, passou para R$ 30 milhões a partir de 2019, o blog apurou.

Para efeito de comparação, é quase o dobro do que o Internacional recebeu de luvas para acertar com o Esporte Interativo (R$ 17 milhões) e metade do que o São Paulo levou para renovar com a Globosat (R$ 60 milhões).

O aumento da premiação acontece no momento em que a programadora e o canal fechado Esporte Interativo duelam pelos direitos da TV fechada do Brasileiro a partir de 2019 e está previsto no acordo de renovação entre os clubes que fecharam com a Globosat.

Os valores dos bônus pagos aos clubes, de acordo com suas performances no Nacional, aumentaram de maneira proporcional.

Por exemplo, o vice-campeão, que ganhou no ano passado R$ 6,3 milhões, receberá na edição de 2019 do Brasileiro aproximadamente R$ 19 milhões. E assim sucessivamente de acordo com a posição na tabela classificatória.

Trata-se da resposta da Globosat aos clubes que pediram que o dinheiro fosse dividido respeitando critérios de meritocracia.

Nessa mesma linha, a programadora atendeu uma reivindicação dos clubes ao usar um modelo semelhante ao inglês para a distribuição do dinheiro, adotando a divisão em 40%, 30% e 30%. Ou seja, os clubes que fecharem com a Globosat dividirão equalitariamente 40% do valor total disponibilizado pela programadora, outros 30% serão divididos de acordo com suas performances dentro de campo e os 30% restantes serão distribuídos de acordo com as audiências alcançadas por cada time.

O Esporte Interativo, que tem como principais atrações a Liga dos Campeões e a Copa do Nordeste, busca mais atrações ao vivo para preencher sua grade, especialmente no período noturno e nos finais de semana. A necessidade aumentou após o canal entrar este ano na grade da NET.

A Sky não tem previsão de incluir o Esporte Interativo, do grupo Turner, em sua grade de programação.

A disputa entre os canais não está restrito ao Brasileiro: Sportv, da Globosat, Fox Sports e Esporte Interativo já abordaram a CBF interessadas nos direitos da Copa do Brasil, que atualmente são da Globosat, que já renovou os direitos do Campeonato Paulista até 2019 e a Série B do Brasileiro até 2020. Até mesmo os direitos do WSL (World Surf League), primeira divisão do surfe mundial, foi motivo de disputa entre os canais.

A Globosat fechou com, pelo menos, dez clubes: Corinthians, São Paulo, Grêmio, Fluminense, Vasco, Botafogo, Vitória, Sport, Cruzeiro e o Atlético-MG.

O Esporte Interativo acertou com, no mínimo, sete clubes: Santos, Internacional, Atlético-PR, Bahia, Ceará, Paysandu e Sampaio Corrêa.

 

LEIA MAIS:
Cade investiga retaliação da Globo por Brasileiro, mas clubes negam
Esporte Interativo fecha Brasileiro com 15 clubes, sendo sete da Série A
CBF negocia Copa do Brasil com Esporte Interativo
Tática do Esporte Interativo transforma futebol em incógnita
Acerto com Esporte Interativo passar a exigir exercício de futurologia
Globo aumenta valor por Brasileiro, mas oferece um quinto da Turner


Fluminense acerta com a Globo e é oitavo a fechar; veja quais são os outros
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globosat acaba de fechar com o oitavo clube a renovação dos direitos para a TV fechada do Brasileirão a partir de 2018. O último a renovar com a emissora é o Fluminense, segundo este blog apurou com fontes ligadas à negociação. Ele se junta a Corinthians, Vasco, Botafogo, Vitória, Sport, Cruzeiro e o Atlético-MG.

A programadora enfrenta a concorrência, na TV fechada, do canal Esporte Interativo, que também vem conversando com os clubes de futebol e que recentemente entrou na grade da operadora NET. Na TV aberta, Record e Rede TV!, que tentaram adquirir os direitos do Brasileiro no episódio que terminou na implosão do Clube dos 13 anos atrás, agora não demonstraram interesse em enfrentar a Globo.

Partes envolvidas diretamente na negociação e que conhecem como funciona o atual mecanismo de divisão do dinheiro da TV argumentam que se alguns clubes fecharem com o Esporte Interativo e alterarem a janela atual de TV paga, correm o risco de perder pelo lado do Premiere, canal pay-per-view da Globosat, o que diminuiria “sensivelmente” suas receitas.

Uma outra situação reconhecida pelos dois lados é que se parte dos clubes assinasse com o Esporte Interativo e parte permanecesse com a Globosat, muitos jogos não seriam exibidos na TV a cabo. Isso porque segunda a legislação brasileira não prevalece o mando de campo. Para uma partida ser transmitida, ambos os times teriam que estar fechados com a mesma emissora.

Nas negociações com o Esporte Interativo, os clubes pedem que a repartição do dinheiro siga o modelo inglês. Cartolas dos clubes também se impressionaram com a aquisição do Esporte Interativo pelo poderoso grupo Turner, que resultou na compra dos direitos da Liga dos Campeões pelo canal. Segundo cartolas, o canal oferece até seis vezes mais do que a Globosat pelos direitos de TV fechada.

O empenho do canal em tirar o Brasileiro da Globosat é justificado pela necessidade de ter que preencher grade com eventos atrativos que possam ser transmitidos ao vivo, especialmente à noite e aos fins de semana. Seus destaques são a Liga dos Campeões e a Copa do Nordeste.

O Esporte Interativo ainda não entrou na grade da operadora Sky.

 


Globo agora ganha rivais também na disputa pelos direitos da Copa do Brasil
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Globosat, Esporte Interativo e Fox Sports abordaram a CBF interessados nos direitos de transmissão da Copa do Brasil, este blog apurou com uma fonte na CBF ligada diretamente às negociações de TV. A informação foi confirmada ao blog pelo representante de uma das TVs que conversou com a CBF no fim do ano passado e que foi informado pela confederação sobre a existência de outros interessados.

A CBF, porém, apesar do interesse das três emissoras, não abriu negociação com nenhuma das emissoras, por considerar “muito prematuro”. Afinal, o contrato em vigor da CBF com a Globo/Globosat para a transmissão da Copa do Brasil se estende até 2018.

A Fox Sports já exibe algumas partidas da Copa do Brasil por conta de um acordo de repasse com a Globosat.

O canal fechado Sportv, do sistema Globosat, e Esporte Interativo protagonizam uma disputa pelos direitos de 2018 em diante do Campeonato Brasileiro de Futebol  para a TV fechada. Atualmente os direitos são da Globo/Globosat, que já renovou com sete clubes: Corinthians, Vasco, Botafogo, Vitória, Sport, Cruzeiro e Atlético-MG.

Segundo clubes que negociam com o Esporte Interativo, o canal fixou o final desta semana como deadline para uma decisão dos clubes com quem negocia sua proposta.

O Esporte Interativo intensificou o diálogo com os clubes de futebol que ainda não fecharam com a Globosat depois de ter garantido sua entrada na grade da operadora de TV a cabo NET, fechada no fim do ano passado e concretizada este mês. Há, da parte do Esporte Interativo, a expectativa de entrar na grade de outra grande operadora, a Sky.

Com a Liga dos Campeões e Copa do Nordeste como principais atrações, o canal necessita de outras atrações de peso ao vivo para preencher a grade no período noturno e aos finais de semana. Como os direitos da Série B do Brasileiro foi renovada até 2020 com a Globosat, assim como os direitos do Paulista, as competições mais interessantes que ainda estão no mercado são o Brasileirão e a Copa do Brasil.

O Esporte Interativo, que foi adquirido pelo grupo Turner, chamou a atenção dos clubes ao ofertar uma soma que pode chegar a até entre cinco e seis vezes o que a Globosat paga pelos direitos em TV fechada, por concordar com o modelo inglês de distribuição do dinheiro, uma reivindicação dos clubes, e pelo fato de ter adquirido a Liga dos Campeões.

Mas quem conhece a fundo o funcionamento do sistema de pay-per-view alerta que a exposição de clássicos regionais, como o Grenal, pelo Esporte Interativo em suas praças pode prejudicar a atratividade do pay-per-view, o que pode mexer no bolso dos clubes. Hoje, 38% da receita do pay-per-view é direcionado para os cofres dos clubes de futebol.

Há o potencial também de que muitos jogos fiquem fora da TV por assinatura se parte dos clubes assinar com o Esporte Interativo e a outra parte permanecer com a Globosat. Segundo a legislação brasileira, não prevalece o mando de campo. Pela Lei Pelé, os dois times teriam que estar fechados com a mesma emissora para que a partida seja transmitida.

Na TV aberta, Record e Rede TV!, que tentaram adquirir os direitos do Brasileiro no episódio que culminou na implosão do Clube dos 13 anos atrás, agora não demonstraram interesse em enfrentar a Globo.


Globo fica sem rivais na disputa por Brasileirão e clubes perdem trunfo
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Record e Rede TV!, emissoras que protagonizaram com a TV Globo em 2011 a última grande negociação de direitos do Brasileiro para a TV aberta, que culminou na implosão do Clube dos 13, descartam disputar com a emissora do Rio os direitos do Brasileiro-18/19 para a TV aberta.

Ou seja, o caminho está aberto para a Globo negociar com os clubes de futebol sem a pressão de ter de igualar ou melhorar as propostas de concorrentes.

A decisão frustra os grandes clubes do futebol brasileiro que conversam com o canal Esporte Interativo sobre a venda dos direitos do para a TV fechada do Nacional no período. Cartolas de ao menos dois clubes que conversam com o Esporte Interativo ouvidos por este blog acreditavam que seu poder de negociação seria fortalecido pela presença de concorrentes da Globo na TV aberta.

Entre os clubes que chegaram a conversar com o Esporte Interativo estão Santos, Fluminense, Grêmio, Inter, Atlético-PR, Coritiba, Bahia e Sport.

“Nesse momento, a Record não tem interesse na disputa por esses direitos”, informou ao Blog Hiran Silveira, diretor de aquisições e relações internacionais da TV Record. “Essa eventual compra [dos direitos do Brasileiro-18/19] não está incluída em nossos planos de investimentos para o próximo biênio.”

O setor de aquisições da Rede TV!, comandada por Franz Vacek, respondeu por meio de sua assessoria de imprensa que “não há interesse [em adquirir os direitos do Brasileiro-18/19]”. Segundo apuração do Blog, os motivos seriam estratégicos.

Este blog revelou no último dia 23 que grandes clubes de futebol conversavam com o Esporte Interativo os direitos do Brasileiro-18/19. A emissora chegou a acenar com um bônus de cerca de R$ 40 milhões para os clubes que assinassem.

O executivo que tradicionalmente negociava pela Globo os direitos de transmissão com os cartolas era Marcelo Campos Pinto, que deu lugar a Pedro Garcia e Roberto Marinho Neto. Cartolas comentam que ainda “estão se acostumando” ao estilo da dupla, após muitos anos negociando com seu antecessor. Em 2011, com a concorrência de Record e Rede TV!, Campos Pinto negociou individualmente com todos os clubes os direitos do Nacional.

O Esporte Interativo necessita dos direitos de transmissão do Brasileiro para preencher sua grade, especialmente agora que passaram a fazer parte da grade da programadora NET, que detém 51,75 % de participação do mercado (10 milhões de assinantes). O canal ainda não fechou com a Sky, dona de quase 29% do mercado.

A emissora tem como destaques a Liga dos Campeões e a Copa do Nordeste, mas precisa de mais atrações ao vivo de futebol para atrair o espectador no período da noite e fins de semana. A aquisição do Esporte Interativo pelo grupo Turner anima os cartolas brasileiros. Eles argumentam que se a Turner conseguiu adquirir a Liga dos Campeões é porque tem os bolsos fundos o bastante para apresentar ótimas propostas pelo Campeonato Brasileiro.