Clube dos 13 – Blog do Ohata http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br Cobertura de esportes olímpicos, lutas, bem como na garimpagem de histórias saborosas do esporte. Mon, 03 Sep 2018 07:00:31 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Por 10%, CBF negociará publicidade estática de campo em nome de clubes http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/07/21/cbf-negociara-publicidade-estatica-de-campo-em-nome-de-clubes-de-futebol/ http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/07/21/cbf-negociara-publicidade-estatica-de-campo-em-nome-de-clubes-de-futebol/#comments Fri, 21 Jul 2017 07:00:07 +0000 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/?p=7264 A CBF propôs durante encontro com presidentes dos clubes da Série A do Brasileiro negociar por eles o uso da publicidade estática que ficam ao redor dos gramados. Cerca de 15 equipes aceitaram a proposta, segundo cálculo de uma pessoa a par da negociação.

A Globo explorou durante duas décadas essa propriedade comercial dos clubes. Porém durante as negociações dos direitos de TV do Brasileiro a partir de 2019 abriu mão dos direitos da publicidade estática. A confederação também se ofereceu para negociar uma outra propriedade da qual a Globo abriu mão, os direitos internacionais de TV do Brasileiro, conforme informou a ESPN.

Desde 2011, quando houve a implosão do Clube dos 13, os clubes de futebol da Série A não se sentam todos juntos para negociar em conjunto uma de suas propriedades comerciais.

A CBF argumentou aos clubes que pode assumir esse papel centralizador, por se tratar de um interlocutor em comum a todos eles.

No próprio encontro com a CBF circulou entre os cartolas documento por meio do qual eles autorizam a entidade a representá-los em negociações. Mas o documento não tem valor de procuração. A confederação não pode assinar um contrato em nome dos cartolas.

A confirmação à proposta da CBF, porém, no caso de vários clubes, passa pela aprovação dos respectivos conselhos deliberativos ou administrativos. O documento também é examinado pelo departamento jurídico de alguns clubes.

A taxa cobrada pela CBF para representá-los no caso de um negócio ser fechado é de 10%, segundo cartolas ouvidos pelo blog.

 

]]>
3
‘Ao Fla resta ir à Justiça americana’, diz Márcio Braga, sobre título de 87 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/04/27/ao-fla-resta-ir-a-justica-americana-diz-marcio-braga-sobre-titulo-de-87/ http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/04/27/ao-fla-resta-ir-a-justica-americana-diz-marcio-braga-sobre-titulo-de-87/#comments Thu, 27 Apr 2017 11:47:15 +0000 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/?p=6057 O presidente do Flamengo à época da Copa União, o correspondente ao Campeonato Brasileiro de 87, Márcio Braga, dispara contra o STF e a cartolagem, ao comentar a negativa do STF a recurso do clube, que tenta ser reconhecido como campeão nacional de 1987.

Entre os principais pontos, Márcio questiona a capacidade da Justiça, que deixou prescrever 68% das ações penais com foro privilegiado entre 2011 e 2016, critica as práticas da Federação de Futebol do Rio, apresenta seu argumento a favor do título do clube do qual foi seis vezes presidente e, por fim, faz uma ironia, ao dizer que “ao Flamengo só resta recorrer à Suprema Corte Americana”.

Leia abaixo a íntegra do texto escrito por Márcio Braga, a pedido do blog:

“O Supremo Tribunal Federal, atolado nos processos da Lava-Jato e cuja morosidade, segundo a FGV, deixou prescrever 68% das ações penais com foro privilegiado entre 2011 e 2016, decidiu que a CBF não poderia ter reconhecido Flamengo e Sport como campeões de 1987. Ainda que essa decisão até pudesse ter algum fundamento jurídico, pode o STF decidir sem fazer Justiça?

Contra fatos, não há argumentos. Se há um Campeão Brasileiro em 1987 é justamente o Flamengo, que conquistou o título em campo, vencendo Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Grêmio, Internacional, Bahia, Vasco, Botafogo, Fluminense e Coritiba.

Ou algum clube pode se dizer Campeão Brasileiro jogando apenas com Criciúma, Joinville, Portuguesa, Inter de Limeira, Bangu, Ceará, CSA de Alagoas, Treze da Paraíba, Guarani e Atlético Paranaense pré-Petraglia?

Contrariando o princípio da primazia da realidade, a sentença do STF faz do branco, preto e do quadrado, redondo. Só não é justa!

Inclusive, é bom lembrar que, na história recente da humanidade, leis e tribunais referendaram escravidão, apartheid e holocausto. O Flamengo sem dúvida está do lado certo da história, será que se pode dizer o mesmo do STF?

Para quem quiser se aprofundar nesse assunto, o livro “1987: a História Definitiva”, escrito pelo diplomata Pablo Duarte Cardoso, conta todos os detalhes sobre a Copa União e seus desdobramentos, mas, trocando em miúdos, esse imbróglio se resume a duas palavras: incompetência e desonestidade.

Em 1987, a CBF veio a público dizer que não teria condições de organizar o Campeonato Brasileiro. Os principais clubes do país então fizeram sozinhos a melhor competição da história.

Quando a cartolagem percebeu que os clubes poderiam seguir seu caminho sem a interferência nefasta da CBF e das Federações, resolveram montar um esquema para anular a iniciativa dos clubes promovendo outra competição, querendo que os clubes da primeira divisão disputassem o título com os clubes da segunda. Seria mais uma jabuticaba, algo inimaginável em qualquer outro lugar do mundo.

Desde então, essa camarilha de cartolas que se sucede entre si no comando das entidades de administração tenta roubar esse título do Flamengo, como vem roubando o futebol brasileiro há muito tempo.

E um parênteses, às vésperas das finais do Campeonato Carioca, fala-se mais no título de 1987, num sinal claro de esgotamento desse modelo anacrônico e autoritário de organização do futebol no Brasil, em que a Federação de Futebol do Rio de Janeiro tem lucro nos jogos do campeonato estadual, e os clubes amargam um prejuízo atrás do outro, sendo obrigados a jogar partidas sem a menor relevância e sem que ninguém sequer entenda a tabela nem o regulamento da competição.

Até hoje, só a justiça americana conseguiu processar e prender algum cartola do futebol brasileiro. Pelo visto, ao Flamengo, só resta mesmo recorrer à Suprema Corte Americana.”

]]>
129
Veja porque grupo que fechou com EI cria figura jurídica para negociar TV http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/03/31/veja-porque-grupo-que-fechou-com-ei-cria-figura-juridica-para-negociar-tv/ http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/03/31/veja-porque-grupo-que-fechou-com-ei-cria-figura-juridica-para-negociar-tv/#comments Fri, 31 Mar 2017 07:00:35 +0000 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/?p=5746 O medo de que algum clube “pulasse fora do barco” em meio às negociações fez com que o grupo de cinco clubes que fecharam os direitos de TV fechada com o canal Esporte Interativo e agora negociam TV aberta e pay-per-view com a Globo criar se unir por meio de uma pessoa jurídica.

O grupo é integrado por Palmeiras, Santos, Bahia, Atlético-PR e Coritiba.

“Com isso, queremos evitar que um dos clubes ‘roa a corda’, ou seja, dê para trás, como já aconteceu”, explica Pedro Henriques, vice-presidente do Bahia, em referência a agremiações como Fluminense e São Paulo. “Os presidentes, vices ou departamentos jurídicos dos cinco clubes já se reuniram várias vezes, em Curitiba, em São Paulo, e nosso objetivo é formalizar juridicamente nossa união.”

Por mais contraditório que pareça, a união do quinteto em uma pessoa jurídica é positiva até para a Globo, com quem negociarão.

O fato de terem anunciado por meio da mídia que estavam negociando em bloco, mas sem formalizar a união, começou a tornar as negociações confusas para executivos de TV, o blog apurou. Eles não têm segurança de que quando um cartola de um clube alega falar pelos outros, ele de fato tem “procuração” para representá-los e por isso, não sabem qual o “peso” conferir a seus discursos.

A formação de uma pessoa jurídica para negociar eliminaria esse tipo de confusão.

Desde a implosão do Clube dos 13, em 2011, os clubes não se uniam em torno de uma pessoa jurídica para fazer negociações em bloco.

]]>
24
Há 40 anos, Fla foi 1º a cobrar por direitos de TV. E levou dura dos rivais http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/03/29/ha-40-anos-clubes-nao-recebiam-por-direitos-de-tv-e-atacaram-1o-a-exigir/ http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2017/03/29/ha-40-anos-clubes-nao-recebiam-por-direitos-de-tv-e-atacaram-1o-a-exigir/#comments Wed, 29 Mar 2017 07:00:37 +0000 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/?p=5693 A partir de 2019, só os direitos de TV do Brasileiro representarão aos cofres dos clubes, por ano, valores próximos a R$ 1,8 bilhão.

Há 40 anos, porém, as agremiações de futebol não recebiam nada (difícil de acreditar, não?) pelos direitos de transmissão do Nacional. A TV Educativa ia aos estádios, gravava os jogos e os repassava às outras emissoras de TV, que comercializavam o produto.

A “quebra” foi provocada pelo Flamengo, que exigiu pagamento pelos direitos de TV de um Fla-Flu disputado no aniversário do clube, em 15 de novembro de 77, e foi criticada por outros clubes, irritou a cúpula da TV Globo, chegou ao gabinete do então presidente Geisel e acabou na Justiça.

“O Flamengo não é contra o televisamento dos jogos, pelo contrário, acha até importante. Mas quer ganhar também”, argumentou, à época, o então presidente flamenguista, Márcio Braga, segundo registros de jornais.

Para garantir seus direitos, o Flamengo entrou com pedido de liminar contra a CBD (Confederação Brasileira de Desportos) e a Abert (Associação Brasileira de Rádio e Televisão), que proibia a entrada de equipes de TV no Maracanã com equipamentos de filmagem, e que foi acolhido pela Justiça. O clube exigiu pelo registro das imagens do Fla-Flu o valor de um milhão e meio de cruzeiros.

O cartola, por sua ousadia, viu o caso chegar até o gabinete do presidente da República Ernesto Geisel e viu até seus pares virarem a cara e criticá-lo publicamente por sua iniciativa. Cartolas do Botafogo, por exemplo, dispararam contra o Flamengo: “agiu erradamente”, “errou na prática” e “foi precipitado”.

O presidente flamenguista levou um “puxão de orelha” até mesmo de Roberto Marinho, que o conhecia desde que era menino.

“Às vésperas do Fla-Flu, estava no Hippopotamus [badalada casa noturna da época], jantando com o João Carlos Magaldi [diretor de marketing do Flamengo e da Globo], quando um garçom me chamou”, lembra Marcio Braga. “Era o Roberto Marinho ao telefone, ele me deu um esculacho, perguntou como eu podia fazer aquilo. Pedi calma, mas respondeu que não conversava com quem o acionava na Justiça. O pior é que além do Magaldi, havia mais executivos da Globo na diretoria, como o Walter Clark, então aquela foi uma situação constrangedora.”

Mas, no fim, as emissoras pagaram para registrar o agora polêmico Fla-Flu e o resto, como dizem, é história.

“Dez anos depois daquele episódio, outra ruptura, quando desta vez com o apoio financeiro da Globo, organizamos a Copa União e vimos o nascimento do Clube dos 13. Décadas depois, ao retornar ao Flamengo, conseguimos verba pública para os clubes que formam atletas olímpicos, que não recebiam nada”, reflete Márcio Braga, 80. “Agora, com essa alteração de estatuto na CBF, que diminuiu o poder dos clubes, não tenho dúvida de que está na hora de uma outra ruptura. Está na hora de os clubes se unirem, e acho que o Flamengo, de novo, deveria estar à frente…”

]]>
26
Sócio-torcedor participar da escolha do técnico? É o que propõe candidato http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2016/05/23/socio-torcedor-participar-da-escolha-do-tecnico-e-o-que-propoe-1-candidato/ http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2016/05/23/socio-torcedor-participar-da-escolha-do-tecnico-e-o-que-propoe-1-candidato/#comments Mon, 23 May 2016 09:00:26 +0000 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/?p=2254 Uma das plataformas de Pedro Trengrouse, candidato à presidência do Fluminense, é permitir que o sócio-torcedor do clube dê pitacos e até participe da escolha dos treinadores do time, mediante sua participação financeira no processo de contratação. Não, não se trata de “pagou, escolheu”, Trengrouse ressalta, até porque a formatação do conceito que o torne funcional precisa ser aprimorada.

As eleições no Fluminense estão previstas para acontecer em novembro.

“Os clubes brasileiros nasceram do engajamento de seus integrantes, lá atrás em suas histórias, quando não havia dinheiro de TV, patrocínios ou venda de atletas, eram os sócios que pagavam as contas dos clubes”, lembra Trengrouse, professor da FGV e convidado de Harvard. “A ideia é recuperar esse engajamento do sócio-torcedor, que poderá reassumir a responsabilidade de participar até na escolha do treinador.”

Segundo Trengrouse, a escolha obedeceria certos critérios. “Faríamos uma pesquisa de quem há no mercado, ver suas condições e submeter aos torcedores. Hoje, como verificamos com o App Store e o Uber, esse tipo de transação financeira online é fácil”, explica, ao acrescentar que já há exemplos desse tipo de iniciativa na Alemanha e até no nordeste, caso do clube Doze FC. “Campanhas presidenciais recebem esse tipo de financiamento [pequenos doadores individuais], o [presidente Barack] Obama é o maior exemplo.”

Mestre pelo Fifa Master e consultor da ONU para assuntos ligados à Copa-14, Trengrouse sabe que sua ideia será recebida com desconfiança e talvez até com sarcasmo, mas aponta para outras causas “impossíveis” que abraçou no passado, para as quais a maioria torcia o nariz e acreditava que não daria em nada.

Cita o pay-per-view, que defendeu em 2008/09 no Clube dos 13 e que hoje representa fatia atraente da verba das TVs para os clubes; o programa de sócio-torcedor, no qual trabalhou para a Ambev e que para muitos clubes se tornou a segunda fonte de receita, atrás só das TVs; e as apostas esportivas, assunto no qual trabalhou como consultor  e no qual o governo federal se debruça agora, ciente que movimenta por ano R$ 2 bilhões.

Para defender sua plataforma de inclusão dos sócios no dia-a-dia do clube, que seriam atraídos pela participação na gestão e transparência, mas que não se limita a esse ponto, Trengrouse pediu ao clube que permita que o sócio-torcedor vote pela internet e que sejam organizados eventos para que todos os candidatos possam expor seus projetos e opiniões.

“Acho que represento o rompimento com o modelo-padrão, no mundo de hoje, quem sair na frente em relação a ações inovadoras, terá muito mais vantagem.”

]]>
10
Globo fica sem rivais na disputa por Brasileirão e clubes perdem trunfo http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2016/01/07/record-e-rede-tv-descartam-disputa-por-brasileiro-e-clubes-perdem-trunfo/ http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/2016/01/07/record-e-rede-tv-descartam-disputa-por-brasileiro-e-clubes-perdem-trunfo/#comments Thu, 07 Jan 2016 08:00:21 +0000 http://blogdoohata.blogosfera.uol.com.br/?p=757 Record e Rede TV!, emissoras que protagonizaram com a TV Globo em 2011 a última grande negociação de direitos do Brasileiro para a TV aberta, que culminou na implosão do Clube dos 13, descartam disputar com a emissora do Rio os direitos do Brasileiro-18/19 para a TV aberta.

Ou seja, o caminho está aberto para a Globo negociar com os clubes de futebol sem a pressão de ter de igualar ou melhorar as propostas de concorrentes.

A decisão frustra os grandes clubes do futebol brasileiro que conversam com o canal Esporte Interativo sobre a venda dos direitos do para a TV fechada do Nacional no período. Cartolas de ao menos dois clubes que conversam com o Esporte Interativo ouvidos por este blog acreditavam que seu poder de negociação seria fortalecido pela presença de concorrentes da Globo na TV aberta.

Entre os clubes que chegaram a conversar com o Esporte Interativo estão Santos, Fluminense, Grêmio, Inter, Atlético-PR, Coritiba, Bahia e Sport.

“Nesse momento, a Record não tem interesse na disputa por esses direitos”, informou ao Blog Hiran Silveira, diretor de aquisições e relações internacionais da TV Record. “Essa eventual compra [dos direitos do Brasileiro-18/19] não está incluída em nossos planos de investimentos para o próximo biênio.”

O setor de aquisições da Rede TV!, comandada por Franz Vacek, respondeu por meio de sua assessoria de imprensa que “não há interesse [em adquirir os direitos do Brasileiro-18/19]”. Segundo apuração do Blog, os motivos seriam estratégicos.

Este blog revelou no último dia 23 que grandes clubes de futebol conversavam com o Esporte Interativo os direitos do Brasileiro-18/19. A emissora chegou a acenar com um bônus de cerca de R$ 40 milhões para os clubes que assinassem.

O executivo que tradicionalmente negociava pela Globo os direitos de transmissão com os cartolas era Marcelo Campos Pinto, que deu lugar a Pedro Garcia e Roberto Marinho Neto. Cartolas comentam que ainda “estão se acostumando” ao estilo da dupla, após muitos anos negociando com seu antecessor. Em 2011, com a concorrência de Record e Rede TV!, Campos Pinto negociou individualmente com todos os clubes os direitos do Nacional.

O Esporte Interativo necessita dos direitos de transmissão do Brasileiro para preencher sua grade, especialmente agora que passaram a fazer parte da grade da programadora NET, que detém 51,75 % de participação do mercado (10 milhões de assinantes). O canal ainda não fechou com a Sky, dona de quase 29% do mercado.

A emissora tem como destaques a Liga dos Campeões e a Copa do Nordeste, mas precisa de mais atrações ao vivo de futebol para atrair o espectador no período da noite e fins de semana. A aquisição do Esporte Interativo pelo grupo Turner anima os cartolas brasileiros. Eles argumentam que se a Turner conseguiu adquirir a Liga dos Campeões é porque tem os bolsos fundos o bastante para apresentar ótimas propostas pelo Campeonato Brasileiro.

]]>
22