Blog do Ohata

Arquivo : CBF

Globo procura parceiro na TV aberta para transmitir partidas da Série B
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo busca parceiros na TV aberta para sublicenciar os direitos de transmissão das partidas da Série B no próximo ano.

A partir de 2018 passa a valer o contrato, firmado em 2015, entre a emissora e a CBF, que dá à Globo os direitos de transmissão sobre todas as partidas da segunda divisão do Brasileiro.

O contrato em vigor dita que a Globo tem os direitos de todos os jogos da Série B, à exceção de uma partida por rodada, que a CBF repassa à agência Sport Promotions os direitos de negociá-los com emissoras de TV aberta.  A Rede TV! transmite a Série B este ano.

A Sport Promotions foi uma das quatro agências, e a única brasileira, que participaram da licitação da Conmebol para negociar os direitos de TV da Libertadores, Sulamericana e Recopa, que teve como vencedor o grupo formado por IMG e Perform.

A mais tradicional parceira da Globo na TV aberta é a Band, para quem a emissora já sublicenciou os direitos da Champions, Copa das Confederações, Mundial sub-17 e os da Copa do Mundo da Rússia do ano que vem, entre outros.

Os respectivos contratos firmados recentemente entre Globo e Esporte Interativo com diversos clubes de futebol da segunda divisão pela transmissão do Brasileiro a partir de 2019 em nada afetam o contrato da Série B do Brasileiro que entra em vigor no ano que vem.

 

Tags : CBF Globo


CBF ofereceu tratamento privilegiado ao negociar direitos de TV da seleção
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O pacote oferecido pela CBF durante as negociações dos direitos de transmissão dos jogos da seleção até 2022 incluiu “tratamento privilegiado” à emissora de TV que os adquirisse. As tratativas entre a confederação e diversos canais se arrastaram durante semanas.

O Grupo Globo fechou contrato para TV aberta, fechada e pay-per-view, que faziam parte do pacote “A”, na última sexta (27). A emissora já havia adquirido o pacote “B”, com direitos não-exclusivos para mídias digitais, anteriormente.

Durante o período de negociação com emissoras de TVs, representantes da confederação desfilaram uma série de motivos para a aquisição dos direitos de 37 jogos da seleção brasileira, sendo 28 amistosos e 9 jogos de eliminatórias a serem disputados em casa.

Uma das vantagens citadas era o “tratamento privilegiado, porém sem exclusividade”, para a equipe da emissora na cobertura da seleção. A lógica era de que o privilégio facilitaria ao parceiro construir uma robusta programação de apoio para os jogos a ser exibidos por ele.

Foi dada ênfase à facilidade de acesso à seleção brasileira para eventuais filmagens adicionais. Também foi citado o acesso ao hotel e treinos (mediante credenciamento com a Fifa, Conmebol ou CBF). Sobre as questões de logística, foi oferecida à emissora vencedora ingerência na decisão do horário do pontapé inicial dos jogos.

Representantes das emissoras, porém, ouviram também pedidos de contrapartidas, como a responsabilidade da produção das partidas que forem disputadas no Brasil e pagamento de taxa no caso dos jogos disputados fora de casa. Também foi pedida a exibição do cronômetro da CBF, provavelmente para permitir a exposição da marca de seus parceiros comerciais.

Os emissários da CBF lembraram aos interlocutores que a audiência dos jogos da seleção na TV aberta supera, além dos mais variados eventos esportivos, estrelas da programação não-esportiva, como novelas da Globo e da Record, o “Jornal Nacional”, os reality shows “Masterchef”, da Band, e “Big Brother”, da Globo, e o programa “Silvio Santos”, do SBT, entre outros.

As partidas que dão início ao contrato recém-fechado com a Globo são os dois amistosos que acontecem em novembro.


Por Copa Rio-51, palmeirenses encaminham dossiê com 5 documentos à Conmebol
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O ex-vice de futebol, Roberto Frizzo, e o conselheiro vitalício do Palmeiras, Vittorio Pescosolido, que trabalham para que a Fifa reconheça a Copa Rio-51 como Mundial, encaminharam à Conmebol, por meio de um de seus integrantes, um dossiê composto por cinco documentos. A tese defendida é de que não se pode desconsiderar um status que a Fifa já reconheceu.

Os palmeirenses em geral ficaram muito contrariados pela decisão da Fifa em reconhecer os títulos mundiais de São Paulo, Santos, Flamengo e Grêmio e nem sequer ter considerado revalidar o da Copa Rio-51 durante reunião realizada na última sexta-feira (27).

A busca pela chancela da Fifa ao caráter de Mundial à Copa Rio-51 uniu representantes de alas historicamente rivais no Palmeiras. Frizzo e Pescosolido traçaram uma cronologia com cinco fatos correspondentes à documentação encaminhada à Conmebol.

1- Início do século XXI: Roberto Frizzo faz uma pesquisa de documentação histórica envolvendo vários países que resulta no livro “Copa Rio 1951, o Primeiro Mundial de Clubes da História do Futebol”. A publicação foi entregue à Fifa e mostra que o então secretário-geral da Fifa, Ottorino Barassi, participou da organização da Copa Rio

2 – 09.mar.2007: Fax enviado pelo então secretário-geral da Fifa, Urs Linsi, à CBF, com a referência “Copa Rio 1951”

3 – 29.mar.2007: Correspondência encaminhada pelo então presidente da CBF ao então presidente do Palmeiras, Affonso della Monica, cumprimentando-o “pela conquista da competição que intitula o Palmeiras como Campeão da Copa Mundial de Clubes”

4- 23.abr.2013: Mensagem do então secretário-geral da Fifa Jeròme Valcke, ao então ministro do Esporte do Brasil, Aldo Rebelo, com a referência “Recognition of the Copa Rio 1951 as the first club world cup” (“Reconhecimento da Copa Rio 1951 como o primeiro Mundial de clubes”

5- 07.jun.2014: Ata de reunião do comitê executivo da Fifa com tradução juramentada que aponta na página 11 que “Grant the request by the CBF to recognize the 1951 tournament between European and South American clubes won by Palmeiras as the first worldwide clube competition”. (“Atende o pedido da CBF para reconhecer o torneio de 1951 entre clubes europeus e sulamericanos, vencido pelo Palmeiras, como o primeiro mundial de clubes”). Os palmeirenses dizem estranhar o fato de a Conmebol não reconhecer o status de Mundial, já que “estavam presentes [à reunião] Julio Grondona, à época vice-presidente executivo da Fifa e presidente da AFA e Eugenio Figueiredo, ‘apenas’ o presidente em exercício da Conmebol”.

 

 

 


Globo e CBF assinam contrato por direitos de jogos da seleção até 2022
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Globo e a CBF fecharam contrato dos direitos de transmissão por TV aberta, assinatura e meios digitais de um pacote de jogos da seleção brasileira, que inclui 9 eliminatórias e 28 amistosos, até 2022.

O acordo tem início com os dois amistosos de novembro, contra Japão e Inglaterra. A reportagem do UOL havia antecipado que a Globo transmitirá as duas partidas. As próximas partidas do pacote acontecem em março, e serão contra a Rússia e Alemanha.

A CBF havia organizado meses atrás, em parceria com a agência Synergy, um leilão por dois pacotes de direitos das 37 partidas.

O pacote “A” incluía os direitos exclusivos para a TV aberta, por assinatura e pay-per-view com exclusividade, e a possibilidade de sublicenciamento a outras emissoras, e os direitos não-exclusivos para plataformas digitais; o pacote “B” contemplava apenas os direitos para mídias digitais, mas sem exclusividade.

Foi anunciado, em setembro, que a Globo ganhara os direitos do pacote “B”, mas não houve lances para o pacote “A”.

O pacote “A” inclui as duas partidas desse ano. Não estão contemplados no pacote as eliminatórias da Copa disputadas fora de casa.

Amistosos estão estrategicamente previstos para os meses de março e junho de 2018, 2019 e 2022, para servir como “aperitivos” das Copas de 2018, 2022 e para a Copa América de 2019, que acontecerá no Brasil.

Em junho, sem chegar a acordo com a Globo, a CBF exibiu dois amistosos da seleção na TV Cultura e na TV Brasil.


Seleção sub-17 rende à Globo mais audiência do que o habitual no horário
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A partida da seleção brasileira sub-17, válida pelas semifinais do Mundial da categoria, transmitida ao vivo pela Globo na TV aberta na manhã desta quarta (25), rendeu à Globo mais audiência do que a programação habitual do horário.

Em São Paulo, o jogo registrou 9 pontos, 2 a mais do que a média das últimas quartas-feiras no mesmo horário, segundo prévia do levantamento do Kantar Ibope. Os números consolidados serão divulgados amanhã.

No Rio, a partida deu 13 pontos, 4 a mais do que a média das últimas quartas-feiras no mesmo horário.

Para exibir a partida, a Globo deixou de exibir hoje o programa matinal “Bem Estar”. A transmissão da semifinal  era encarada como uma promoção para potencializar uma eventual final envolvendo o time verde-amarelo, mas o Brasil foi eliminado pela Inglaterra. Nesse sentido, a boa audiência alcançada com a transmissão foi uma relativa surpresa.

Os brasileiros enfrentam agora, pela disputa do terceiro lugar, a seleção de Mali, no sábado pela manhã, a partir das 9h30. Como o blog havia antecipado, a Globo não transmitirá a partida. A Band confirmou que exibirá o jogo.

Tratou-se de uma aposta da Globo, que recentemente experimentou incluir programação esportiva na grade, como fez com a Liga Mundial (vôlei), Recopa e Supercopa da Uefa. Nada garantia boa audiência, já que além de dividir a partida com a Band, o jogo de domingo da seleção sub-17, exibida pela parceira, atingiu 3,8 pontos de audiência, ficando atrás da própria Globo, Record e SBT.


CBF é criticada por ‘falta de diálogo’ com jogadores, que pedem mudanças
Comentários Comente

Eduardo Ohata

À CBF foi encaminhada uma proposta de alterações no calendário do futebol brasileiro de 2018 pela Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol. A entidade se queixa que a programação de jogos é feita sem uma consulta prévia a atletas e treinadores.

“Nossa relação com a CBF sempre foi de respeito mútuo, mas é injusto que o calendário do futebol brasileiro não seja discutido com os protagonistas do espetáculo. Ignorar a palavra do atleta não parece ser a melhor estratégia”, avalia o presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite.

Há poucos meses, a Fenapaf organizou um protesto, que contou com a adesão de jogadores das Séries A e B, contra a precarização da profissão de jogador de futebol, além de ter negociado com a CBF o respeito de um período de 68 horas entre jogos para descanso. A entidade ganha força à medida que conta com um clube de capitães, cujos membros tem se engajado em seus assuntos.

Uma das reivindicações é a alteração no calendário para permitir uma inter pré-temporada no período da Copa do Mundo. Sobre a pré-temporada propriamente dita, a entidade pediu a obrigatoriedade da mesma, após as férias coletivas de 30 dias.

A entidade também pede que se condicione a inscrição de atletas no BID (Boletim Informativo Diário da CBF) à exigência da assinatura da carteira de trabalho e previdência social.

Outras demandas se referem à forma de disputa das séries C e D do Brasileiro, com a igualdade na forma de disputa da Série C à divisão principal e à Série B, e modificação no regulamento da Série D para que seja evitada a exclusão de 60% dos clubes já no mês de junho e consequentemente incremento de desemprego entre os jogadores de futebol.

“O modelo das divisões de acesso não favorecem a profissionalização do futebol brasileiro. Hoje, início de junho, 80% dos clubes brasileiros estão parados. Isso contribui para o amadorismo do nosso futebol e para a demissão em massa dos nossos atletas, gerando cada vez mais demandas judiciais”, argumenta Leite.

Em tempos de mudança na estrutura do esporte nacional, Leite acredita que soluções poderiam surgir a partir da organização de um grande debate entre governo federal, CBF, Fenapaf, Federação Brasileira dos Treinadores de Futebol, entre outros.

 

 

 

 


Ministério Público é acionado no caso da agressão ao elenco da Ponte Preta
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O episódio de agressão a jogadores da Ponte Preta, após a derrota para a Chapecoense, há poucos dias, fez com que o Ministério Público do Trabalho fosse notificado nesta segunda-feira (2) pela Fenapaf (Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol).

O clube é o responsável por garantir a integridade física e a segurança dos jogadores, no entender da federação, que organizou protesto dos jogadores contra a precarização das condições de trabalho e negociou com a CBF o intervalo de 68 horas de descanso  para os jogadores entre partidas.

Dois líderes do elenco da Ponte Preta, Fernando Bob e Wendel, membros do clube de capitães da entidade, foram contatados antes de a Fenapaf acionar o Ministério Público. Coube a eles passar mensagem de que providências seriam tomadas aos outros jogadores.

Outros casos de agressões sofridas por jogadores, como o de Bruno Aguiar, do Goiás, o dos jogadores do Flamengo cobrados no aeroporto, e o dos corintianos no CT Joaquim Grava, ocorridos este ano, foram lembrados em um ofício que a federação enviou à CBF.

No documento, a federação pede que a confederação busque soluções para essa crise, já que os episódios de agressão a jogadores vêem aumentando.

A entidade também pediu providências à Secretaria de Segurança Pública.

Veja também:

 


Record e Band cogitam concorrer com Globo por jogos da seleção brasileira
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Record e Band mostraram interesse nos últimos dias de participar do leilão organizado pela CBF pelos jogos da seleção brasileira, incluindo eliminatórias da Copa e amistosos. O Grupo Globo, por sua vez, não escondeu que participaria da disputa pelo pacote.

As diretorias de Record e Band contemplaram nas últimas semanas a possibilidade de participar do leilão, segundo foi confirmado ao blog. Circulou no mercado que SBT também participaria, embora a emissora paulista tenha desqualificado oficialmente a informação.

Não foi confirmado, no caso de Record e Band, se suas cúpulas finalmente decidiram dar lances.

A Band é parceira da Globo de longa data e a Record mostrou interesse pelos direitos de futebol em 2011, no caso pelo Brasileiro, mas de última hora acabou não apresentando um lance. Porém inflacionou o mercado para a Globo.

O prazo final definido pela agência Sinergy, contratada pela CBF para organizar o leilão, para a apresentação de propostas se encerra esta terça-feira (19), às 11h.

Houve um incremento nos valores pedidos pelas partidas já que da parte da CBF há o entendimento de que havia uma margem grande entre o que se cobrava e o lucro que a Globo vinha obtendo, o blog apurou.

A emissora ou grupo que vencer o leilão ficará com a tarefa de cuida da produção das transmissões dos jogos.

A Sinergy ofereceu ao mercado dois pacotes, que contemplam 37 partidas da seleção nacional deste ano até 2022: O primeiro dá direito de transmitir todos os jogos em qualquer plataforma de televisão (aberta, fechada, pay-per-view) e digitais (internet, celular, aplicativos, mídias sociais etc). Já o segundo dá o direito de transmitir pelas plataformas digitais. Para o primeiro pacote, o preço mínimo é de US$ 3,5 milhões por partida. No segundo pacote, cada jogo tem o valor mínimo de US$ 500 mil.

Uma emissora ou grupo pode ter a exclusividade total se ganhar o leilão pelos dois pacotes.

Em junho, a CBF levou amistosos da seleção ao mercado, após não chegar a um acordo comercial com a Globo, que por anos vinha transmitindo os jogos da equipe nacional. A TV Cultura transmitiu as duas partidas na TV aberta.


Técnicos pedirão à CBF regra que limita troca de treinadores no Brasileiro
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Um grupo de cerca de uma centena de técnicos de futebol visitarão a CBF na próxima segunda (21) para propor um pacote de medidas que visa coibir a alta rotatividade de treinadores no Brasileiro. Para reforçar a necessidade de mudanças, está prevista a presença de dois treinadores que recentemente mal tiveram tempo de “esquentar o banco”, Jorginho, no Bahia, e Marcelo Cabo, no Figueirense.

Uma das propostas é a inclusão no regulamento da competições do Brasileiro uma regra que permita que um técnico mude de equipe no máximo duas vezes em cada uma das séries do Brasileiro.

“Não dá para impedir os clubes de demitirem treinadores, é um direito do empregador, mas se essa regra for adotada, os clubes vão diminuir o ritmo de demissões, pois logo ficarão sem opções”, explica Alfredo Sampaio, presidente da federação.

Outra sugestão trata da questão da contratação de treinadores estrangeiros.

“O Vanderlei Luxemburgo propôs que o contrato do treinador estrangeiro siga o mesmo procedimento do que acontece na Espanha, onde é registrado não apenas na federação, mas também na federação de treinadores de lá”, diz Sampaio. “Além disso, queremos que a CBF intervenha para que nossa licença seja reconhecida no exterior, assim como reconhecemos as dos estrangeiros.”

Outras reivindicações incluem a fixação de um prazo para que o clube pague os direitos do técnico demitido antes de contratar o substituto, e a diminuição do valor da taxa para a licença de treinador, custo que, segundo Sampaio, pode chegar a até R$ 18 mil, provocando a elitização da categoria.

Estão previstas as presenças de Luxemburgo, Dorival Júnior, Wagner Mancini, Jair Ventura, Abel, Carlos Alberto Parreira, Zico, Roger e Oswaldo de Oliveira, entre outros.

 

Tags : CBF


CBF contrata agência que leiloará direitos de TV dos jogos da seleção
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A CBF contratou a agência Sinergy para negociar os direitos de TV dos jogos da seleção brasileira de futebol.

A suíça Sinergy tem à frente e o executivo Patrick Murphy, que trabalhava na agência Team Marketing e representava os direitos comerciais de competições da Uefa, como a Champions e a Liga Europa.

O leilão substituirá a negociação tête-à-tête com as emissoras adotada previamente pela confederação.

Nas últimas semanas, executivos de redes de TV abertas e fechadas foram abordados por representante da Sinergy, que falou em nome da CBF e ofereceu os direitos de TV das partidas da seleção, que cobrem o próximo ciclo inteiro, até 2022.

O pacote inclui eliminatórias da Copa do Mundo-2022 que serão disputadas a partir do ano que vem e amistosos da equipe nacional.

No caso das eliminatórias, a CBF pode negociar nove partidas, as que acontecem dentro de casa.

Independentemente do resultado do leilão, porém, a Globo ainda exibirá algumas partidas da seleção brasileira pelas eliminatórias, já que tem os direitos sobre aquelas que acontecem neste semestre.

Não está claro se os amistosos que acontecem nos próximos meses entram no pacote ou se irão ser oferecidos separadamente, como os amistosos da seleção contra Argentina e Austrália, que foram exibidos pela TV Cultura em junho.

Tampouco foi informado se o leilão incluirá direitos para todas as mídias em um único pacote (TV aberta, fechada, internet etc) ou se as propriedades serão comercializadas separadamente.

A expectativa do mercado, por conta dos amistosos deste semestre, é de que a definição do leilão aconteça até setembro.

Partes próximas à negociação afirmaram que o ex-executivo da Globo Marcelo Campos Pinto participa de negociações da CBF. Contatado pelo blog, o ex-executivo explica que seus projetos não incluem negociação de direitos de TV.

As partidas da seleção disputam espaço com leilões de outras importantes propriedades previstas para os próximos meses, como o da Champions e da Libertadores, entre outras.