Blog do Ohata

Arquivo : UFC

‘O game Mortal Kombat foi a inspiração para o UFC’, revela criador do UFC
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Afinal de contas, no que Rorion Gracie se inspirou para a criação do UFC? O filme “O Grande Dragão Branco”, cujo pano de fundo era um torneio clandestino de artes marciais que reunia lutadores das mais diferentes modalidades? Não. O infame, e sangrento, desafio entre jiu-jitsu e  luta-livre transmitido na TV aberta pela Globo na década de 90? Também não, diz, balançando a cabeça. De acordo com Rorion, primogênito do lendário clã Gracie, o popular game Mortal Kombat foi o que o inspirou na criação do conceito do UFC.

Rorion Gracie, em São Paulo

“Minha inspiração foi o game Mortal Kombat, lembra? Um torneio que reunia lutadores de diferentes artes marciais, você disputava um combate seguido do outro”, revelou Rorion, 65, filho do legendário Helio Gracie, que está no Brasil para o lançamento da segunda edição do livro “A Dieta Gracie”,  em entrevista ao blog.

Qual foi a inspiração para o formato do torneio do UFC? Lembra um pouco o filme “O Grande Dragão Branco”. Mas tem gente que diz que você copiou aquele desafio jiu-jitsu x luta-livre, que a Globo exibiu na TV aberta nos anos 90.

Não pensei no “Grande Dragão Branco” e nem no evento do Carlinhos Doce Lar. O que me inspirou foi aquele jogo de videogame Mortal Kombat, sabe qual é? Lutadores de vários tipos de luta. A minha descrição do UFC, na época, era Mortal Kombat for real.

Lembra de alguma curiosidade sobre as primeiras edições do UFC?

Na primeira ou segunda edição, tinha um lutador brasileiro que não chegou a estrear. Ele era da capoeira, estava como substituto caso algum dos lutadores no torneio não pudesse continuar. Parece que morava lá [nos EUA]. A gente estava atrás de lutas exóticas, dos mais diferentes estilos. Então a capoeira brasileira interessava.

O UFC foi vendido recentemente à IMG por US$ 4 bilhões. E você, lá atrás, vendeu sua participação no UFC por…

[Interrompendo] Uma merreca!

Não bate um arrependimento? Você não pensa, ‘esses US$ 4 bilhões poderiam estar no meu bolso”?

Nem um pouquinho. Não criei o UFC para ganhar dinheiro. Minha motivação era arranjar uma arena onde você pudesse comparar os estilos das artes marciais. Queria provar a superioridade e eficiência do jiu-jitsu brasileiro. Eu vendi porque estavam mudando as regras. Resolveram colocar tempo de luta, categoria de peso, que eu era contra. No início, não tinha luva e nem teipe na mão porque numa luta de verdade se você der um murro na cabeça do outro, você quebra a mão. Não tinha jurados, entravam dois [no octógono], saía um. Era a realidade de uma briga, o mais real possível. Era murro na cara, dente caindo… Isso chamou a atenção de todo mundo, depois cresceu. Eu falei, ‘se vocês colocarem tempo de luta, vocês vão matar o show, vai mudar toda a dinâmica, e eu não quero mais estar envolvido’. Quando você coloca rounds de 5 minutos, você não dá mais a chance ao pequenininho de cansar o grandão e ganhar.

Então, na sua opinião, o slogan “mais real impossível” (em inglês, “as real as it gets”) não valia mais?

[Enfático] De jeito nenhum! Você não pode mais botar o grande com o pequeno, tem que ser gente com o mesmo peso, porque os assaltos davam vantagem para o maior. Tiveram que botar jurados, ficava sujeito à interpretação dos juízes. O fim de um assalto interrompia um estrangulamento no meio… Bate o gongo e você tem que soltar? Isso não existe numa briga de verdade. Deixou de ser uma briga de verdade e passou a ser um show de entretenimento. Por isso não me incomodei de me desligar do show. Eu poderia ter ficado como sócio do UFC, em vez de vender, recebido uma participação, mas estaria me prostituindo por dinheiro, porque não era o evento que eu acreditava.  Mas fico feliz por uma ideia minha ter evoluído para um produto de US$ 4 bilhões.

O que acha do UFC de hoje?

Não assisto mais, acho muito violento. Para mim é uma violência desnecessária. Dois caras dando murro um na cara do outro? A graça antigamente era você mostrar a técnica. Era uma competição entre estilos de luta, agora é uma competição entre atletas. Para mim, perdeu a finalidade. As regras favorecem que aconteçam os socos na cara, ficou mais perigoso. Antes, caía no chão, não separava, era menos pancada. Se você está com a mão limpa, não protegida por uma luva, você pensa duas vezes para dar um soco [forte] e quebrar a mão. Não assisto mais o UFC, nem o Bellator [onde lutou recentemente Royce Gracie, irmão de Rorion]. Deixou de ser uma briga de verdade e passou a ser show de entretenimento. Tem gente que adora, o Dana [White] faz um trabalho maravilhoso de marketing, ele tem uma visão grandiosa e tem mérito, fez a parte dele. Mas não é o show que eu criei, que era de briga de verdade.

Você está no Brasil para lançar a segunda edição de “A Dieta Gracie”. O que dieta tem a ver com luta?

Uma vez que meu sonho de popularizar o jiu-jitsu foi realizado, estava pensando que era muito cedo para me aposentar. Então tive uma epifania, caiu a ficha que não fui à América para ensinar as pessoas a lutar. Fui para ensinar as pessoas a viver. E isso é baseado em uma saúde boa. Escrevi o livro baseado nos conceitos de alimentação que meu tio Carlos passou 65 anos estudando. A finalidade dele não era engordar o envaidecer, era manter a família com a saúde boa para poder brigar com qualquer um, a qualquer hora, em qualquer lugar. Meu tio conta que quando era garoto, na década de 20, 30, os caras vinham bater na casa dele às 22h. [Bate na mesa imitando uma batida na porta] ‘Vocês são os Gracie, que aceitam desafio com qualquer um?’ ‘Somos nós mesmos’. ‘Quero brigar contigo agora’. Meu tio me contava, ‘Rorion, tinha que sair da cama, estrangular o cara e voltar a dormir’. Como lutador, ele sabia que uma dor de barriga, uma úlcera, uma azia qualquer outro problema de alimentação tira sua concentração, afeta sua performance, a gente não pode correr esse risco. Ele se tornou autodidata em nutrição, lia o trabalho de todo mundo e tirava suas próprias conclusões. [O lançamento do livro acontece nesta terça, a partir das 19h, na livraria Cultura do Shopping  Iguatemi].

Um fato não tão divulgado é sua conexão com a indústria do cinema. 

No meu início nos EUA, fazia faxina para ganhar dinheiro. Uma das casas era de uma senhora cujo marido era assistente de direção daquele seriado “Starsky & Hutch”. Quarenta anos atrás, eu garotão, ela perguntou, como você não está no cinema? E eu, ‘realmente, como não estou no cinema?’ [Risos] Ela falou, tira umas fotos e meu marido arruma para você ser figurante. Eu pendurei a vassoura, tirei as fotos e comecei a fazer pontas de figurante. Participei da “Ilha da Fantasia”, “Casal 20”, “O Barco do Amor”, todos aqueles seriados dos anos 80. De figurante, consegui o trabalho de coreógrafo de lutas do filme “Máquina Mortífera”, eu que ensinei aquele “triângulo” [golpe de jiu-jitsu] que aparece no outro no fim do filme. Passei dois meses trabalhando com a Rene Russo. No “Maquina Mortífera 3” tem uma cena de luta na oficina, que ela dá uma queda e o bandido cai no vidro. Quem era o bandido? Era eu. Ela não conseguia levantar o dublê, e pediu para ser eu fazer a cena. Era eu de bigode, tomei tapa na cara. Não me colocaram nos créditos, ficaram p… por eu entrar daquela forma no filme. Mas era eu de bigode. Você não vê meu nome nos créditos, mas me vê na tela. [O blogueiro assistiu à cena e comprovou que o vilão era interpretado por Rorion].


May-Mac: Números iniciais apontam para quebra de recorde de pay-per-view
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Os números contabilizados até o momento apontam que o desafio entre o multicampeão de boxe Floyd Mayweather Jr. e a estrela do UFC Conor McGregor deverá quebrar o recorde de pacotes de pay-per-view vendidos para uma luta nos EUA.

O recorde pertence a um outro combate de Mayweather, o duelo com o filipino Manny Pacquiao, em 2015, com 4,6 milhões de pacotes vendidos.

Segundo o vice-presidente da rede de TV Showtime, Stephen Espinoza, responsável pelo pay-per-view de Mayweather-McGregor, disputado no fim de semana passado, os números já apurados indicam que o combate deve alcançar marca semelhante à de Mayweather-Pacquiao ou ficar próximo dos 5 milhões de pacotes comercializados.

“[A quebra do recorde] é possível”, admite Espinoza. “No pay-per-view, há um aumento dos números entre os relatórios inicias e a consolidação final dos números. Mas, no mínimo, essa luta já garantiu a segunda maior venda de pacotes de pay-per-view.”

O presidente do UFC, Dana White, chegou a comemorar a venda de 6,5 milhões de pacotes de pay-per-view nos EUA.

No Brasil, o duelo também foi oferecido por meio do pay-per-view, ao custo de R$ 89,90, e depois reprisado pelo canal SporTV 2.

Os números mostram que Mayweather participou das quatro lutas de maior sucesso no pay-per-view com seus duelos contra Pacquiao (4,6 milhões de pacotes vendidos), Oscar de la Hoya (2,4 milhões) e Canelo (2,2 milhões) além de McGregor agora.

A luta que não envolveu Mayweather que mais pacotes vendeu nos EUA, na quinta posição, foi Evander Holyfield x Mike Tyson, em 28 de junho de 1997, com 1,99 milhões.

O desafio entre Mayweather e McGregor foi apelidado de “The Money Fight” (“A Luta do Dinheiro”).

 

 

 


Mayweather aconselha McGregor a retornar ao UFC para o bem do ex-oponente
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O multicampeão de boxe Floyd Mayweather Jr. aconselha Conor McGregor a retornar para o UFC para o próprio bem do irlandês.

Ao contrário do próprio empresário, Leonard Ellerbe, que viu algum futuro no boxe para McGregor após o desafio de sábado, Mayweather colocou a performance do irlandês sob perspectiva e crê que McGregor pode se pôr em risco se subir de novo no ringue.

“Quero ver Conor McGregor no UFC fazendo o seu melhor. Porque eu estou com 40 anos e estava inativo há quase 800 dias, e ele está ativo. Ele está lutando, treinando, em uma academia de boxe e na academia do UFC”, analisou Mayweather Jr. durante entrevista.

“Ele estava ativo, treinando, competindo. Esses boxeadores que estão aí, os jovens leões, lançam muito mais combinações do que eu lanço hoje em dia. [Contra McGregor,] eu estava comedido, lançando um golpe aqui e ali, ‘quebrando’ ele devagarinho. Mas com esses jovens boxeadores, que estão ativos e desferindo um monte de combinações, eles dariam um jeito nele muito mais rápido [do que eu].”

 


Oferecido a R$ 89,90, May-Mac terá reprise sem cobrança de taxa esta noite
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O desafio entre Floyd Mayweather Jr. e Conor McGregor, que aconteceu na madrugada deste domingo (27), será reprisado esta noite, a partir das 23h, pelo canal por assinatura SporTV 2.

Ou seja, todo aquele que tiver o canal em seu pacote de TV por assinatura poderá assistir a luta sem cobrança de taxa adicional.

O evento foi transmitido ao vivo em pay-per-view por meio do canal Combate, ao custo de R$ 89,90.

O resultado da luta confirmou o palpite do blog.

 


Floyd Mayweather não fez mais do que a obrigação contra Conor McGregor
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Floyd Mayweather Jr. não fez mais do que a obrigação na vitória sobre Conor McGregor na madrugada deste domingo.

Sim, havia a diferença de idade, o fato de estar retornando de uma aposentadoria e a vantagem de peso e tamanho de McGregor, mas Mayweather estava no elemento onde passou toda a sua vida, o ringue de boxe, então sua vitória era esperada.

Verdade seja dita, o irlandês foi inteligente ao maximizar tudo o que tinha. Seu estilo pouco ortodoxo confundiu Mayweather, pelo menos no início da luta, procurou irritar o americano com socos na nuca e com agarrões por trás, habilmente jogou seu peso sobre Mayweather durante os clinches e, em algumas oportunidades, usou da velocidade.

No fim, Mayweather fez McGregor provar um pouco do próprio remédio, empurrando seu antebraço no rosto e pescoço do rival.

Uma pena o recorde do legendário ex-campeão dos pesados Rocky Marciano, de 49 vitórias seguidas sem derrota, que durou mais de 60 anos, ter caído justamente nessa luta.


May-Mac: A questão não é se Mayweather vai vencer, mas como o fará
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Havia decidido não escrever mais sobre o desafio entre Mayweather e MacGregor antes da luta, que acontece daqui a poucas horas.

Mas seguem aqui alguns pensamentos sobre tudo o que envolveu o combate, sua promoção e a reação de torcedores e até jornalistas.

Mayweather contra McGregor é o melhor time de futsal do mundo enfrentando o Real Madrid no Mundial de clubes da Fifa. É, como meu amigo Guga Chacra colocou, Michael Phelps contra Usain Bolt, nos 200 m borboleta. É Michael Jordan no campo de beisebol.

Se não ficou claro, outro amigo, o também jornalista Marcelo Soares, que nem é do esporte, encaminhou para mim uma matéria do site “The Conversation”, na qual a neurociência verbalizou o porquê da minha insistência na vitória de Mayweather: o cérebro de um atleta antevê as intenções de um rival por meio da leitura corporal, adquirida na quadra, campo etc. Mayweather passou intermináveis horas no ringue de boxe, McGregor, no octógono do MMA.

Um colega de profissão, que cobre MMA, me perguntou outro dia: “Por que você tem tanta raiva dessa luta?” Não se trata de raiva. Se um boxeador, mesmo que de elite, desafiasse o que de melhor que o MMA tem para oferecer, tampouco daria chance para o boxeador.

De toda a forma, ficou claro que, a exemplo do que acontece com quase qualquer assunto atualmente, o duelo polarizou: De um lado fãs do boxe e do outro, do MMA. Na minha opinião, acho que dá para gostar de bolo e sorvete. Drama e comédia. Loira ou morena.

Sobre o interesse pelo desafio: May-McGregor é aquele acidente de carro que provoca lentidão em uma das faixas porque todos diminuem a velocidade para espiar. É a musa de anos atrás posando nos seus 40’s ou até 50’s para a revista “Playboy”. Curiosidade.

E, não importa o resultado, já é um evento que sempre será lembrado, junto com o duelo entre Muhammad Ali e Antonio Inoki.

Não há vergonha em assistir. É só não confundir esporte com entretenimento.

 


May-Mac: Confira quanto custará no Brasil assistir a luta pelo pay-per-view
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O custo do pacote de pay-per-view para o desafio entre o multicampeão de boxe Floyd Mayweather Jr. e a estrela do UFC Conor McGregor sairá por R$ 89,90. O valor é válido para quem assina pacotes das operadoras de TV por assinatura NET e Sky, que juntas detêm mais de 80% do mercado.

A programação, denominada “The Money Fight” (“A Luta do Dinheiro”) e encabeçada pela luta entre Mayweather e McGregor, será disponibilizada pelo canal Combate, cujo carro-chefe são os eventos do UFC.

O valor do pay-per-view se manteve estável em relação à última luta oferecida pelo mesmo sistema, outro duelo de Mayweather, contra o filipino Manny Pacquiao. Em maio de 2015, quem comprou o pacote até um dia antes do combate teve um pequeno desconto e pagou R$ 80; quem o fez no dia do evento, desembolsou R$ 90.

Na oportunidade, foram vendidos 13,5 mil pacotes. Desta vez, o número almejado é de cerca de 15 mil. Há mais otimismo, já que o evento reúne estrelas de diferentes modalidades e a ideia é atrair os dois públicos.

Curiosamente, o valor cobrado pela assinatura mensal do canal Combate é menor nos dois casos: R$ 79,90 na NET e R$ 74,90 na Sky.

O valor final será dividido entre o promotor do evento, a Mayweather Promotions, que foi representado no Brasil pela IMG, a Globosat e as operadores de TV por assinatura. A promotora tem garantido um fixo a ser complementado por uma fatia do pay-per-view.

A Fox também chegou a abrir negociações com a IMG pelo desafio, já que em toda a América Latina, com exceção do Brasil, o evento é usado para turbinar o canal Fox Premium e seu aplicativo. Mas aqui foi a Globosat que adquiriu os direitos.

Nos EUA, o preço por pacote é de US$ 89,95, com um adicional de US$ 10 se o telespectador optar por alta definição. Lá, o evento é disponibilizado pela Showtime, rede de TV a cabo que tem Mayweather sob contrato.


May-Mac: Acordo com YouTube e Facebook tenta impedir pirataria no Brasil
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A transmissão via pay-per-view do desafio entre o multicampeão de boxe Floyd Mayweather Jr. e a estrela do UFC Conor McGregor, por meio de pay-per-view, no próximo sábado, estará protegida no Brasil da pirataria graças a um acordo com YouTube e Facebook.

Nas últimas semanas, internautas questionam, em tom jocoso, nas mídias sociais, a necessidade de pagar para assistir o combate, “se um minuto depois da luta, ela estará disponível no YouTube”.

Eles se referem ao sites ilegais de streaming (transmissão em tempo real na internet) que ameaçam os contratos de direitos de imagem e exibir o combate de graça na web.

A arrecadação do pay-per-view dependerá diretamente do número de pacotes adquiridos. O valor final será dividido entre operadoras de TV por assinatura, a promotora do evento, Mayweather Promotions, ou representante, IMG, e Globosat.

A possibilidade de pirataria não passou despercebida pela Globosat, que exibirá o evento em seu canal Combate.

Ela contratou a empresa inglesa Net Results, especializada em localizar e derrubar links piratas por meio das “digitais” dos programas, formadas por códigos e comandos.

Para que a Net Results tenha acesso às plataformas do YouTube e Facebook, dois ambientes frequentemente utilizados para a pirataria, a Globosat celebrou acordo com ambos.

A ideia é que a tecnologia coíba a pirataria de sinais relacionados a outros produtos do Grupo Globo, como o futebol.

Nos EUA, a pirataria também é uma preocupação da Showtime, que detém os direitos de transmissão local via pay-pay-view.


Os 6 furos no jogo de Floyd Mayweather que Conor McGregor deve explorar
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O multicampeão Floyd Mayweather Jr, que no próximo sábado enfrenta a estrela do UFC Conor McGregor, está invicto, mas não é infalível. Apesar de ser considerado um dos melhores de todos os tempos, “Money” tem alguns “furos” no seu jogo (vídeo abaixo).

Se quiser maximizar suas oportunidades, McGregor deve prestar atenção no que já funcionou no passado contra Mayweather:

1 – Pressão, pressão e mais pressão: Muitos que assistiram à primeira luta de Mayweather com Jose Luis Castillo acreditam que o mexicano venceu o combate, mas não levou. Como ele fez isso? Não se impressionou com Mayweather e o atacou incessantemente.

2 – Volume de golpes: Castillo disparou uma quantidade tão grande de golpes, que inibiu Mayweather de desferir os seus próprios

3 – Linha de cintura: O mexicano castigou a linha de cintura de Mayweather, procurando diminuir sua movimentação.

4 – Lutar MMA: Não literalmente. Mas Mayweather disse que Marcos Maidana lutou MMA com ele. O argentino não deu bola para a “grife”, foi com tudo para para cima e buscou intimidá-lo com cotoveladas, agarrões e até  mordida. Um dos jurados deu um empate.

5 – Velocidade mata: Mayweather acusou golpes contra adversários conhecidos pela velocidade, Shane Mosley e Zab Judah. Os golpes que você não vê causam os maiores danos.

6 – Testar a esquerda: Mayweather é conhecido por manter a guarda esquerda baixa enquanto protege o queixo com o ombro. Mas ocasionalmente alguns golpes fortes vazam essa defesa.


Confira como May-McGregor pode se tornar a luta mais milionária da história
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O slogan do desafio entre o multicampeão de boxe Floyd Mayweather Jr. e a estrela do UFC Conor McGregor, “The Money Fight” (“A Luta do Dinheiro”, marcado para o próximo dia 26, não deixa dúvida sobre a origem e o objetivo da luta.

Porém, para May-McGregor se tornar a luta mais milionária da história, pelo menos alguns dos recordes do combate entre Mayweather e o filipino Manny Pacquiao terão que ser derrubados primeiro:

Pacotes de pay-per-view comercializados nos EUA:  4,6 milhões de pacotes vendidos

Arrecadação com pay-per-view:  US$ 455 milhões (R$ 1,43 bilhão)

Público: 16,219 mil pessoas

Renda: US$ 79,1 milhões (R$ 249,1 milhões)

Patrocínio:  US$ 13,2 milhões (R$ 41,5 milhões)

Patrocínio pessoal: US$ 2,25 milhões (valor pago pelas marcas no calção de Pacquiao; valor em reais de R$ 7 milhões)

Outras das principais fontes de receitas ligadas à luta: Merchandise, circuito fechado, direitos de TV fora dos EUA, que inclui o Brasil, onde a luta será disponibilizada por meio de pay-per-view pelo canal Combate

Não se engane, a promoção do desafio capitalizará sobre tudo o que for possível para ter lucro.

Basta lembrar que Mayweather não estava simplesmente “tirando onda”, ao se dirigir ao ringue onde enfrentou Paquiao acompanhado por um mascote do Burger King. Pela exposição que durou poucos minutos, a franquia de fast food desembolsou US$ 1 milhão.

Ajuda a derrubar alguns recordes o fato de o desafio acontecer na T-Mobile Arena, cuja capacidade é de 20 mil pessoas. Mayweather-Pacquiao foi disputado no MGM Grand Garden, que abriga entre 16 mil e 17 mil pessoas. Ou seja, se a promoção fizer direito sua lição de casa, nada impede que os recordes de renda e público sejam substituídos.