Blog do Ohata

Arquivo : Brasileiro

Corinthians x São Paulo alcança melhor audiência dos últimos dez anos
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O clássico do fim de semana, que viu o Corinthians derrotar o São Paulo, por 3 a 2, transmitido pela Globo, atingiu a audiência mais alta na TV aberta em dez anos para um jogo do Brasileirão em domingos em São Paulo.

A partida alcançou 30 pontos e 53% de participação.

Há 10 anos um jogo do Brasileiro não registrava audiência tão alta em um domingo, em São Paulo.

A última vez que uma partida atingiu um índice semelhante foi em 2 de dezembro de 2007, no jogo Grêmio x Corinthians, última rodada do Brasileiro, que viu o time do Parque São Jorge ser rebaixado para a  Série B.

O outro jogo exibido pela Globo no fim de semana, Avaí e Flamengo, não repetiu a performance do clássico paulista: Avaí x Flamengo chegou a 28 pontos e 50% de participação, segunda maior média do Brasileiro-2017.

Nesta quarta-feira, a emissora exibe outro clássico, Santos x Palmeiras, com transmissão para São Paulo e Santos, inclusive.


Rede TV! transmitirá partidas da Série B do Brasileiro na TV aberta
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Rede TV! exibirá as partidas da Série B do Brasileiro na TV aberta este ano.

A primeira partida prevista na programação da Rede TV! é entre Londrina e Internacional, que faz sua estreia na segunda divisão. A transmissão está prevista para às 16h30 deste sábado.

O contrato da CBF com a Rede Globo e a Globosat dá o direito à emissora na TV aberta de todos os jogos, exceto um por rodada.

Esta partida a CBF pode oferecer às outras TVs abertas, em um contrato direto entre as partes, é a que a Rede TV! tem exibido nos últimos anos e que o fará de novo este ano. Não se trata de um contrato de sublicenciamento entre as emissoras.


‘Ao Fla resta ir à Justiça americana’, diz Márcio Braga, sobre título de 87
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O presidente do Flamengo à época da Copa União, o correspondente ao Campeonato Brasileiro de 87, Márcio Braga, dispara contra o STF e a cartolagem, ao comentar a negativa do STF a recurso do clube, que tenta ser reconhecido como campeão nacional de 1987.

Entre os principais pontos, Márcio questiona a capacidade da Justiça, que deixou prescrever 68% das ações penais com foro privilegiado entre 2011 e 2016, critica as práticas da Federação de Futebol do Rio, apresenta seu argumento a favor do título do clube do qual foi seis vezes presidente e, por fim, faz uma ironia, ao dizer que “ao Flamengo só resta recorrer à Suprema Corte Americana”.

Leia abaixo a íntegra do texto escrito por Márcio Braga, a pedido do blog:

“O Supremo Tribunal Federal, atolado nos processos da Lava-Jato e cuja morosidade, segundo a FGV, deixou prescrever 68% das ações penais com foro privilegiado entre 2011 e 2016, decidiu que a CBF não poderia ter reconhecido Flamengo e Sport como campeões de 1987. Ainda que essa decisão até pudesse ter algum fundamento jurídico, pode o STF decidir sem fazer Justiça?

Contra fatos, não há argumentos. Se há um Campeão Brasileiro em 1987 é justamente o Flamengo, que conquistou o título em campo, vencendo Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Grêmio, Internacional, Bahia, Vasco, Botafogo, Fluminense e Coritiba.

Ou algum clube pode se dizer Campeão Brasileiro jogando apenas com Criciúma, Joinville, Portuguesa, Inter de Limeira, Bangu, Ceará, CSA de Alagoas, Treze da Paraíba, Guarani e Atlético Paranaense pré-Petraglia?

Contrariando o princípio da primazia da realidade, a sentença do STF faz do branco, preto e do quadrado, redondo. Só não é justa!

Inclusive, é bom lembrar que, na história recente da humanidade, leis e tribunais referendaram escravidão, apartheid e holocausto. O Flamengo sem dúvida está do lado certo da história, será que se pode dizer o mesmo do STF?

Para quem quiser se aprofundar nesse assunto, o livro “1987: a História Definitiva”, escrito pelo diplomata Pablo Duarte Cardoso, conta todos os detalhes sobre a Copa União e seus desdobramentos, mas, trocando em miúdos, esse imbróglio se resume a duas palavras: incompetência e desonestidade.

Em 1987, a CBF veio a público dizer que não teria condições de organizar o Campeonato Brasileiro. Os principais clubes do país então fizeram sozinhos a melhor competição da história.

Quando a cartolagem percebeu que os clubes poderiam seguir seu caminho sem a interferência nefasta da CBF e das Federações, resolveram montar um esquema para anular a iniciativa dos clubes promovendo outra competição, querendo que os clubes da primeira divisão disputassem o título com os clubes da segunda. Seria mais uma jabuticaba, algo inimaginável em qualquer outro lugar do mundo.

Desde então, essa camarilha de cartolas que se sucede entre si no comando das entidades de administração tenta roubar esse título do Flamengo, como vem roubando o futebol brasileiro há muito tempo.

E um parênteses, às vésperas das finais do Campeonato Carioca, fala-se mais no título de 1987, num sinal claro de esgotamento desse modelo anacrônico e autoritário de organização do futebol no Brasil, em que a Federação de Futebol do Rio de Janeiro tem lucro nos jogos do campeonato estadual, e os clubes amargam um prejuízo atrás do outro, sendo obrigados a jogar partidas sem a menor relevância e sem que ninguém sequer entenda a tabela nem o regulamento da competição.

Até hoje, só a justiça americana conseguiu processar e prender algum cartola do futebol brasileiro. Pelo visto, ao Flamengo, só resta mesmo recorrer à Suprema Corte Americana.”


Por que é mais fácil a Band optar pela C. das Confederações ao Brasileiro
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo sublicenciou à Band os direitos de transmissão da Copa das Confederações na TV aberta. As emissoras já mantém um acordo em moldes semelhantes em relação aos direitos da Liga dos Campeões.

Segundo planejamento inicial, a Globo transmitiria seis partidas da Copa das Confederações, número mínimo de jogos da competição a ser exibidos na TV aberta, uma exigência da Fifa.

Porém com a entrada da Band, o número de transmissões da competição pela Globo pode diminuir sem ferir cláusulas contratuais.

A competição, que acontece entre 17 de junho e 2 de julho, na Rússia, não contará com a seleção brasileira, que foi eliminada da Copa América pelo Paraguai.

Apesar de Globo e Band não terem mantido a tradicional parceria nas últimas edições do Brasileiro e Paulista, por razões financeiras, os acordos são mais fáceis quando se trata de competições internacionais, como a Copa das Confederações ou a Liga dos Campeões.

Os custos de produção de uma Copa das Confederações é bem menor do que um Brasileiro.

Quando se trata do Nacional, há custos envolvendo a logística, com transporte e acomodação de equipe que conta com narrador, comentarista, repórter de campo, técnico de som, cinegrafista. Há também gasto com aluguel dos caminhões de transmissão e satélite.

Na transmissão “off tube”, realizada em estúdio na própria emissora, o gasto, a grosso modo, se resume à compra dos direitos, recepção do sinal, e pagamentos do narrador, comentarista, produtor e editor.

 

 


Globo oferece mais R$ 20 milhões a São Paulo por direitos na TV aberta
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo colocou na mesa uma proposta de luvas de R$ 20 milhões para o São Paulo pelos direitos de TV aberta do Brasileiro a partir de 2019, o blog apurou. O clube do Morumbi já recebeu R$ 60 milhões de luvas pelos direitos de TV fechada e pay-per-view.

O total de R$ 80 milhões em luvas para a negociação do Brasileiro a partir de 2019, segundo levantamento informal do blog, é superado por dois outros times, com a possibilidade de um terceiro ficar ligeiramente abaixo ou acima.

Essa segunda “perna” do acerto entre Globo e clube precisa ser ratificada pelo conselho deliberativo do clube.

Pelas condições de mercado (só a Globo vem negociando direitos de TV aberta), financeira (país em crise) e pelo fato de a Lei Pelé ditar que os dois times têm que estar fechadas com o mesmo canal para ter as partidas exibidas, o valor negociado é considerado bom no mercado.

Um argumento apresentado a cartolas são-paulinos é o de que o dinheiro oferecido hoje, dadas as condições financeiras do país, talvez não esteja na mesa daqui a alguns meses.

Se o acordo for fechado, o clube do Morumbi contará com o maior fluxo de caixa, entre todos os clubes que fecharam direitos de TV do Nacional com Globosat ou Esporte Interativo, incluindo Corinthians e Flamengo, a partir do momento da assinatura até meados de 2017. O que seria importante para, por exemplo, reforçar o time, especialmente agora que o ídolo Rogério Ceni assumiu o banco, refinanciar a dívida do clube e promover de ações como a de sócio-torcedor.

Entre os clubes que negociaram com a Globo, só o São Paulo não havia fechado a TV aberta. Os demais fecharam o pacote completo (TV aberta, TV fechada e pay-per-view). Um caso específico foi a Ponte Preta, que havia acertado a TV fechada com o Esporte Interativo e que depois a fechou a TV aberta com a Globo.

Segundo o blog apurou, não procede o valor de R$ 100 milhões de luvas recebidas pelo Palmeiras.


Está fora dos planos da Globo compartilhar jogos com Esporte Interativo
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Não está nos planos da Globo/Globosat compartilhar partidas do Brasileiro na TV fechada com o Esporte Interativo, o blog apurou junto a executivos da emissora baseada no Rio.

O SporTV, o braço na TV fechada da Globosat, e Esporte Interativo, canal do grupo Turner, disputam os direitos do Nacional a partir de 2019. Segundo a Lei Pelé, para que uma partida de futebol seja transmitida, é necessário que os dois times participantes tenham contratos assinados com a mesma emissora. Não prevalece o mando de campo.

Como cada canal fechou com um grupo de times, várias partidas do Brasileiro automaticamente não serão exibidas na TV a cabo.

O que a Globo/Globosat já fez foi fechar os direitos de TV aberta e pay-per-view com a Ponte Preta, que fechara jogos da TV por assinarura com o Esporte Interativo. Ou seja, adquiriu os direitos, mas para mídias diferentes.

Dentro da Globo, o consenso é de que não haverá acordo com o canal rival, já que o SporTV reúne um volume de clubes assinados com o canal suficiente para contemplar os dois jogos do Brasileiro exibidos na TV por assinatura por rodada. Então, não há necessidade, ou interesse, de uma composição com o Esporte Interativo.

O SporTV fechou com 23 clubes (apesar de entrar na sua conta o Santa Cruz, que o Esporte Interativo também alega ter sob contrato), entre os principais Corinthians, São Paulo, Flamengo, Fluminense, Botafogo, Vasco, Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio e Internacional (a partir de 2021).

O Esporte Interativo tem entre os destaques para o Brasileiro na TV fechada, a partir de 2019, Santos, Palmeiras, Internacional (até 2020), Atlético-PR e Coritiba.


Globo cede a clubes inédito direito de negociar com emissoras estrangeiras
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A disputa entre Globo e Esporte Interativo pelos direitos do Brasileirão de 2019 a 2024 rendeu aos clubes uma vantagem inédita em sua história: agora eles têm o controle para negociar os direitos internacionais da venda da competição, que foi cedido por ambas emissoras durante as negociações. Atualmente, são adquiridos por cerca de uma centena de países, segundo informou uma pessoa que participou das negociações.

Nos moldes atuais, o dinheiro pago por emissoras de fora para transmitir o Brasileirão entra diretamente para a Globo, responsável pela negociação. A partir de 2019, os clubes receberão o proporcional de cada um nessa venda. Para isso, porém, eles que terão que fazer a negociação, se organizar e se unir, de certa forma.

A adesão dos clubes em bloco como uma organização para negociações comerciais já ocorria nos tempos de Clube dos 13, que teve seu fim no ano de 2011. Porém, até o momento, não há sinalização alguma que aponte para a ressurreição da entidade. Segundo especialistas da área, seria necessário que, no mínimo, dez cartolas dos clubes mais representativos se mobilizassem nessa direção.

“O problema é [os clubes] nos organizarmos para vender os direitos lá fora em conjunto”, argumenta o presidente santista, Modesto Roma. “Os clubes estão desarticulados desde 2011, mas vamos trabalhar nisso.”

No caso da Globo, foi definido apenas, que ela mantém o direito para transmissão do Brasileiro nos países onde há a Globo Internacional, como os EUA. De toda a forma, mesmo nesses países, a transmissão seria feita em português. Ou seja, haveria espaço para alguma emissora local adquirir os direitos para exibir na língua nativa com narrador e comentarista próprios.

Entre os obstáculos no caminho da atratividade do Brasileiro como atração internacional estão o êxodo das estrelas brasileiras e estádios vazios. Um ex-executivo da emissora se queixava que a Globo tinha que ”fazer mágica” na edição para diminuir a entrada de cenas de arquibancadas vazias durante as transmissões das partidas.

Caso os clubes de futebol não consigam formar um grupo para negociar os direitos, uma saída que já é contemplada é os clubes entregarem os direitos para a própria Globo, que já tem o know-how na área, negociar fora do país. Obviamente, eles dividiriam com a Globo um valor por negócio fechado, mas que representaria um “dinheiro novo” em relação ao contrato que vem sendo praticado até agora.


Aquisição bilionária nos EUA respinga em rival da Globo por Brasileirão
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A aquisição da Time Warner pela gigante da telefonia americana AT&T, anunciada no sábado, respinga no Esporte Interativo, rival do SporTV, braço na TV a cabo da Globosat, pelos direitos do Brasileirão 2019-24.

A Lei 12.485, que trata da TV paga no país, proíbe o cruzamento das atividades de programação e distribuição.

A AT&T adquiriu a DirecTV, controladora da Sky no Brasil, há dois anos; e a Time Warner e o grupo Turner, dono do Esporte Interativo, se fundiram na década de 90.

Ou seja, canal (Esporte Interativo) e operadora (Sky) agora são propriedades do mesmo grupo.

Até mesmo nos EUA é esperado que a autoridade reguladora aponte quais propriedades deverão ser negociadas pelo novo grupo.

Foi por causa da legislação brasileira que a Sky descontinuou há alguns anos seu canal esportivo no Brasil, o Sports +.

Para quem não se lembra, o Sports + chegou a ter os direitos de transmissão dos jogos do Campeonato Espanhol, da Liga dos Campeões, da NBA, liga norte-americana de basquete, e de torneios de tênis. O canal entrou na mira do governo justamente por ser propriedade da operadora Sky. Propriedade exclusiva ou majoritária, nesse caso, são vetadas pela legislação nacional.

O canal Esporte Interativo, do grupo Turner, e o SporTV, da Globosat, travam uma disputa pelos direitos do Brasileirão a partir de 2019. Os dois canais fecharam contratos individuais com dezenas de times nacionais de futebol.

Vale lembrar que cada um dos canais só poderá transmitir uma partida caso os dois times que se enfrentarem tiverem contrato fechado com o canal. No caso, o que prevalece não é o mando de campo, mas o que determina a Lei Pelé.

O destaque atual da programação do Esporte Interativo é a Liga de Campeões.

O blog entrou em contato com o canal Esporte Interativo no fim da tarde da última sexta-feira, antes do anúncio da aquisição, e nesta segunda-feira para posicionamento sobre a repercussão no Brasil da aquisição da Time Warner pela AT&T, mas o canal não se pronunciou até o momento.


Em ação no STJD, Santos acusa árbitro de jogo com Inter de fraudar súmula
Comentários Comente

Eduardo Ohata

O Santos encaminhou ao STJD ação contra a arbitragem da partida contra o Internacional, pela 23ª rodada do Brasileiro, que culminou com a expulsão de Lucas Lima aos 45 minutos do primeiro tempo por conta de o meia ter retardado o início do jogo.

A partida, que causou muita polêmica, foi comandada pelo árbitro Rodrigo Batista Raposo (DF/ASP-Fifa).

O blog apurou que, não satisfeito com a representação, na qual cita fraude na súmula e abuso em relação a outros santistas, o presidente santista, Modesto Roma, encontrou-se com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, para discutir o assunto. Del Nero prometeu providências.

Em sua representação, assinada por Modesto, o Santos requere a avaliação técnica da partida, “com atenção especial para a análise das advertências (cartões amarelos) ao atleta Lucas Lima…”

Um segundo documento, que acompanha o requerimento argumenta que “a descrição dos fatos em súmula não corresponde à realidade do ocorrido [na partida]”.

Segundo o Santos, uma análise de um vídeo, que também foi encaminhado à CBF pelo clube, “demonstra claramente que o atleta não retardou o reinício da partida”, como o árbitro alegou.

“O [atleta] havia sofrido falta [no primeiro amarelo]. Ao se levantar, se dirigiu à lateral de campo para receber o passe. Como o cobrador da falta se recusou a efetuar o passe curto, o mesmo se dirigiu à bola pois tentaria um lançamento. Com seu colega de equipe marcado, desistiu do lançamento e cobraria curto, quando então foi advertido pelo árbitro… É possível perceber [pelo vídeo] que entre o apito do árbitro para cobrança de falta e a aplicação do cartão se passaram meros e irrisórios 10 segundos”.

Sobre o segundo cartão amarelo, justificado sob o argumento de “conduta antidesportiva ao retardar o reinício da partida no momento que colocou a bola no quarto de círculo e se posicionou para executar o tiro de canto e em seguida deixou a cobrança para seu companheiro”, o clube também nega a versão do árbitro:

“Novamente, entre o posicionamento da bola no quarto círculo e a apresentação do segundo amarelo, se passaram 9 segundos”.

O questionamento, porém, não se limita apenas à expulsão de Lucas Lima.

“O árbitro não só agiu de maneira abusiva com vários atletas da equipe do Santos F.C., como também pretendia determinar quem deveria ser o cobrador de faltas e escanteios por parte da equipe visitante. Além disso, fraudou a súmula, ao tentar justificar sua abusiva conduta com relatos distantes da realidade, infringindo em duas infrações disciplinadas no CBJD”.

As penas cabíveis, caso as acusações do Santos sejam acatadas, são de suspensão de 30 a 360 dias, com possível multa entre R$ 100 e R$ 1.000 (por deturpar fatos ocorridos); e suspensão de 15 a 180 dias, com possível multa entre R$ 100 e R$ 1.000 (por prática de abuso de autoridade).

Até a 23ª rodada do Brasileiro, haviam acontecido 10 expulsões no primeiro tempo, 7 por lances físicos e 3 por reclamações ou atraso no reinício da partida.

Moshen (Grêmio) foi expulso aos 35 minutos, com cartão vermelho direto, por agredir verbalmente o árbitro; Roberto Torres (Figueirense) foi expulso aos 41 minutos por reclamar da marcação da arbitragem; e Lucas Lima foi expulso aos 45 minutos (segundo amarelo) por, segundo a arbitragem, retardar o reinício da partida.


Globo mantém Brasileirão aos domingos durante Rio-16 e fará flash olímpico
Comentários Comente

Eduardo Ohata

A Globo manterá as transmissões dominicais das partidas do Brasileiro durante o período da Olimpíada do Rio-2016. Não haverá jogos de quarta-feira do Nacional durante os Jogos Olímpicos.

Durante as transmissões do Brasileiro, a Globo prepara sua equipe para entradas ao vivo, a qualquer momento, sempre que houver um acontecimento de relevância relacionado à Olimpíada, como provas, pódios brasileiros ou um eventual ouro brasileiro.

Informações sobre a Rio-2016 não terão que “esperar” o intervalo ou a conclusão da partida do Brasileiro.

É a relevância do evento olímpico que ditará a forma como a informação será transmitida para o telespectador: O próprio narrador da partida poderá passar a informação ou, em caso de acontecimentos mais importantes, poderão ser usadas imagens e o apoio de um segundo narrador que estiver acompanhando “in loco” o evento da Rio-2016.

Durante a Olimpíada, não haverá os tradicionais jogos de quarta-feira do Brasileiro.

Originalmente, haveria entre dois e três jogos nas quartas-feiras durante a Rio-2016. Porém no momento da confecção da tabela, eles foram transferidos para outras datas.

A assessoria da CBF confirmou que a medida foi tomada justamente para que as partidas não “encavalassem” com eventos olímpicos, apesar de que a tendência é que a quantidade de jogos às quartas-feiras diminua a cada ano que passa.