Blog do Ohata

Comitê gestor do Santos sofre baixas com duas renúncias
Comentários 7

Eduardo Ohata

Dois membros do comitê gestor do Santos, Andres Rueda e Urubatan Helou, entregaram na tarde desta quinta-feira (5) as suas cadeiras no comitê gestor do Santos. Oficialmente, a dupla sai de forma amigável do conselho gestor, sem disparar críticas ao presidente do clube, José Carlos Peres.

A dupla, curiosamente, entregou seus cargos horas depois de o blog ter apontado que membros do conselho gestor do Santos discutiam a possibilidade de renunciar em bloco do órgão e que o motivo alegado era o fato de o presidente não atender os pedidos do comitê gestor, como a contratação imediata de reforços para o Brasileiro. Horas antes da publicação, Rueda negara que entregaria o cargo nesta quinta.

Paralelamente, a gestão de Peres já enfrenta dois pedidos de impeachment que estão sob análise no conselho deliberativo do clube.

Um dos integrantes propensos a deixar o comitê gestor é o vice do clube, Orlando Rollo, que encaminhou à comissão do estatuto do conselho deliberativo documento questionando se há a possibilidade de se licenciar do cargo e da cadeira no CG de forma provisória.

Além da contratação imediata de reforços, o comitê gestor pediu em sua última reunião, no dia 3 de junho, a demissão de funcionários que não atendessem uma série de condições, o fim de contratações por meio de pessoa jurídica e a proibição de negócios com a empresa Hi Talent, que tem o ex-coordenador das categorias de base, Ricardo Crivelli, o Lica, afastado por acusação de assédio sexual, como um dos fundadores, como noticiou o UOL Esporte. O conselho gestor requisitou ainda que contratos em vigor com a Hi Talent sejam analisados pelo departamento jurídico do clube para imediato distrato ou rescisão. Peres pediu tempo para analisar as questões apresentadas.

Um dos pleitos do comitê de gestão, a contratação de um executivo de futebol, foi atendida, com a chegada de Ricardo Gomes para o cargo.

O comitê de gestão é formado por sete conselheiros, mais o presidente e o vice. O presidente do conselho deliberativo, Marcelo Teixeira, negou o rumor de que indicaria os substitutos após fazer um acordo de coalização com a atual gestão. ''Não temos interferência na área administrativa, nem indicaremos ninguém para compor o comitê gestor'', argumentou Teixeira. ''A mesa do conselho deliberativo não indica nomes, é uma decisão do presidente do clube.''

Procurado pelo blog por meio da assessoria de imprensa do Santos, Peres não se manifestou sobre o assunto até a publicação do post.

 


Negociação do Palmeiras com Globo inclui reuniões com Roberto Marinho Neto
Comentários 14

Eduardo Ohata

As negociações dos direitos de transmissão em TV aberta das partidas do Palmeiras no Campeonato Brasileira a partir de 2019 evoluíram ao ponto que incluem até encontros do presidente do clube, Mauricio Galiotte, com Roberto Marinho Neto, diretor de esportes do grupo.

O Palmeiras assinou contrato pelos direitos na TV por assinatura pelo período entre 2019 a 2024 com o Esporte Interativo. O clube negocia os direitos de TV aberta e pay-per-view com o Grupo Globo. Há boa vontade para que o negócio se concretize dos dois lados da negociação.

O cartola argumenta que o torcedor palmeirense é qualificado financeiramente, o que agradaria anunciantes na TV aberta e facilitaria a comercialização de pacotes de pay-per-view, e que as partidas da equipe do Allianz Parque são sempre acompanhadas por torcedores das outros times, o que impactaria a base de telespectadores de seus jogos na TV aberta e no pay-per-view.

Um dos principais atrativos aos clubes para assinar com a Globo é o pagamento de ''luvas'', já que a divisão da renda obedecerá o modelo 40-30-30 (40% da receita dividida de forma igualitária entre os clubes, 30% de acordo com performance e 30% definidos pela exibição).

O canal Premiere, braço da Globosat no pay-per-view, pede para o telespectador informar para qual time torce ao fazer a assinatura de seu serviço. A pesquisa será um dos parâmetros para a divisão do dinheiro entre os clubes.

Além do Palmeiras, Atlético-PR e Bahia estão entre os clubes da Série A que assinaram com o Esporte Interativo e que não acertaram com a Globo para a exibição de suas partidas exibidas na TV aberta ou no pay-per-view.


Tropa de Paulo Nobre ressurge e acusa Leila de trabalhar contra o Palmeiras
Comentários 32

Eduardo Ohata

Aliados do ex-presidente do Palmeiras Paulo Nobre têm ressurgido em meio ao racha político no clube, e voltado a brigar por espaço.

Recentes manifestações de Leila Pereira, dona da patrocinadora Crefisa, se tornaram alvo de críticas do vereador Xexéu Tripoli, membro da ''tropa de choque'' de Nobre, em cuja gestão ocupou o papel de diretor-administrativo. Outro aliado bastante próximo de Nobre, Genaro Marino, estuda a possibilidade de lançar candidatura de oposição e diz ser incompatível Leila ser patrocinadora e conselheira do clube.

O próprio Paulo Nobre, porém, está distante da vida política do clube e faz mistério sobre o seu futuro e as aspirações no Palmeiras.

''É inadmissível alguém que se considera conselheira desvalorizar a camisa do clube na imprensa. Para mim, a camisa vale exatamente o que ela paga'', disparou Xexéu, ao acusar Leila de supervalorizar o patrocínio da Crefisa quando ela questionou quem investiria o mesmo montante que a Crefisa no Palmeiras. ''O presidente do conselho deliberativo não pode admitir. Quero ver se vai tomar alguma posição contra alguém que trabalha contra o Palmeiras no mercado ou deixará de repreender quem leva a família dele para passear em Nova York.''

O valor do patrocínio anual da Crefisa ao Palmeiras gira em torno de R$ 80 milhões, com a previsão de bônus adicionais para eventuais conquistas de título do Estadual, Copa do Brasil, Libertadores, Brasileiro e Mundial que, somados, chegariam a R$ 40 milhões por ano.

O presidente do conselho deliberativo do clube do Parque Antarctica, Seraphim del Grande, negou ter viajado a Nova York com Leila Pereira, e argumentou que há instrumentos dentro do conselho deliberativo para Xexéu questionar as manifestações da patrocinadora.

''A última vez em que fui para Nova York foi há 50 anos; para Buenos Aires, fui eu e minha mulher, assim como outros casais, para uma partida do Palmeiras, no jato da Leila, o que não gerou custo ao clube'', explicou Del Grande. ''Se ele acha que a Leila fez algo errado, pode entrar com pedido de sindicância, mas tem que ter coragem e base, porque se a estiver denegrindo [difamando], talvez seja processado.''

Procurada pelo blog por meio de sua assessoria, Leila Pereira não se pronunciou sobre as declarações de Xexéu.

Apesar de ter criticado Leila e se distanciado de Galiotte, Xexéu não é aliado político do ex-presidente Mustafá Contursi, o que dificulta costuras políticas do lado da oposição. Mustafá foi padrinho político de Galiotte e Leila, mas desde então rompeu com a patrocinadora.

O grupo de Mustafá trabalha pela não-aprovação do aumento do mandato do presidente para três anos, que indiretamente facilita o plano de Leila de ser candidata à presidência do clube.

Na última quinta-feira, Leila deu o pontapé inicial na campanha para que os sócios votem pelo ''sim'' da reforma do estatuto e também atacou Mustafá.


Condição põe em risco exibição de Premier League pela Rede TV! na TV aberta
Comentários 3

Eduardo Ohata

Uma condição no acordo de sublicenciamento da Premier League da ESPN para a Rede TV! põe em risco a transmissão na TV aberta dos jogos do badalado Campeonato Inglês: A Rede TV! tem que garantir ao menos uma cota de patrocínio para a manutenção do negócio.

O prazo para a Rede TV! contemplar a cláusula condicional se estende até meados deste mês. Trata-se de uma corrida contra o tempo, já que a primeira rodada da temporada 2018/2019 da Premier League, o Campeonato Inglês, está prevista para a semana do dia 11 de agosto.

O contrato entre as emissoras, à princípio, tem duração de uma temporada, com a cessão à emissora de TV aberta de um jogo semanal, sem exclusividade. A ESPN Brasil não sublicenciou na TV fechada a exibição das partidas Premier League.

Apesar de não ter chegado a um acerto com a Globo para continuar a transmissão das partidas da Série B nesta temporada, a Rede TV! mantém na grade eventos esportivos, como a Superliga de vôlei e competições de rugbi, modalidade que entrou no programa olímpico.


Em evento de luxo, Leila inicia campanha por mandato maior e ataca Mustafá
Comentários 9

Eduardo Ohata

Crédito: Eduardo Ohata/UOL

Leila Pereira, dona da Crefisa, recebeu na noite desta quinta (28) mais de duas centenas de conselheiros e associados do Palmeiras para um jantar em um luxuoso hotel no Jardim Paulista, cujo slogan era ''Eu voto sim! Pela modernidade''. No pontapé inicial de sua campanha pelo ''sim'' dos sócios à alteração no estatuto que aumenta o mandato do presidente e facilita uma eventual candidatura da dona da patrocinadora já em 2021, ela mencionou e tom crítico o ex-padrinho político e agora desafeto Mustafá Contursi.

A alteração foi aprovada pelo conselho deliberativo, mas precisa ser ratificada pelos sócios por maioria simples. Leila tem previstos outros eventos para fazer um corpo-a-corpo com sócios pelo ''sim'' e pretende que conselheiros aliados acionem suas bases eleitorais para convencê-los. A votação foi marcada pelo presidente do conselho deliberativo, Seraphim del Grande, para logo após a Copa do Mundo.

Ao mencionar as vantagens da extensão do mandato de dois para três anos, a patrocinadora citou o ex-presidente Mustafá, que mantém força política nos bastidores do clube.

''O mandato de três anos é melhor porque dá mais tranquilidade ao presidente para ele trabalhar, ele não vai precisar parar a cada dois anos para negociar cargos com o Mustafá [Contursi]'', disse Leila a jornalistas, pouco antes do início do evento, para depois se referir a um dos slogans mais associados a Mustafá. ''[Time] bom e barato, isso não existe, tem que extirpar essa gente de lá [Palmeiras].''

Ela questionou as críticas das quais a Crefisa foi alvo durante a sessão do conselho deliberativo na segunda-feira (25), que a fez pela primeira vez desde que foi eleita a uma cadeira no conselho pedir a palavra para se defender.

''Todos os clubes de São Paulo procuraram a Crefisa [para patrociná-los], é incrível que de dentro do clube, mesmo que da parte de membros de um pequeno grupo, partam críticas à patrocinadora'', reclamou.

Leila viu como um ato totalmente político a rejeição do balancete de janeiro pelo Conselho de Orientação Fiscal na noite de terça-feira (26),  por causa do aditamento no contrato com a Crefisa para atender exigência da Receita Federal por meio do qual o clube assume dívida de cerca de R$ 120 milhões com a empresa conforme o UOL Esporte noticiou.

''Como rejeitam o balancete de uma gestão apresentou uma arrecadação de mais de meio bilhão [em 2017]?'', perguntou, Leila, de forma retórica. ''É claro que fazem isso só para atingir a patrocinadora.''


Peres é avisado de 3º pedido de impeachment, e prazos de defesas encavalam
Comentários 11

Eduardo Ohata

O presidente do Santos, José Carlos Peres, foi notificado na tarde desta terça-feira (26) pela Comissão de Inquérito e Sindicância do conselho deliberativo do clube, do terceiro pedido de impeachment protocolado no órgão. O mandatário terá dez dias úteis para apresentar sua defesa a partir desta quarta-feira (27).

Peres já está com prazo de defesa correndo do segundo pedido de impeachment, que termina no dia 4 de julho. O primeiro pedido foi rejeitado após protocolo pela direção do Conselho, que argumentou ausência das 20 assinaturas de conselheiro obrigatórias pelo estatuto.

O terceiro pedido foi apresentado pelo ex-presidente do conselho Esmeraldo Tarquínio Neto e contou com o apoio de 100 conselheiros, totalizando um terço do órgão (metade do que é preciso para a aprovação do impeachment).

Entre os conselheiros que assinaram o pedido está o candidato a presidência do conselho com apoio de Peres, Otávio Alves Adegas; José Renato Quaresma, candidato a vice na chapa de Andres Rueda; Reinaldo Guerreiro, candidato à presidência em 2011; José Ely Miranda Junior, filho de Zito; José Rubens Marino, vice de futebol campeão em 78, Francisco Jorge Lopes, diretor de futebol bicampeão brasileiro em 2002/04; Paulo Ferreira, diretor de futebol em 84, e o ex-diretor de marketing José Geraldo Gomes Barbosa.

O pedido de Esmeraldo baseia-se no parágrafo 3 do artigo 61 do estatuto, que dita que ''os membros do comitê de gestão são impedidos de ter qualquer tipo de relacionamento profissional com o Santos, direta ou indiretamente, ou ser procurador de atletas, empresário de atletas, agente de atletas ou sócio de pessoas jurídicas que exerçam tais atividades''. Peres aparece, conforme o Blog do Perrone revelou, como um dos sócios das empresas Saga Talent e Peres Sports & Marketing, empresa que tem em seu contrato social a ''administração e o gerenciamento de carreiras de atletas profissionais e amadores''.

A principal diferença deste terceiro pedido para o segundo é o detalhamento jurídico da questão das empresas. O pedido anterior, apresentado pelo conselheiro eleito Alexandre Santos e Silva, fala das empresas, mas aponta irregularidades constatadas no primeiro relatório trimestral da atual gestão apresentada pelo conselho fiscal do clube.

O documento foi protocolado no último dia 18. O conselho encaminhou à CIS, que notificou a presidência para que Peres apresente sua defesa. Ao receber a defesa de Peres, a comissão tem um prazo de sete dias para realizar a sindicância e produzir um relatório que por sua vez será enviado ao presidente do conselho deliberativo, o ex-presidente Marcelo Teixeira, que deverá convocar uma assembléia extraordinária para deliberar sobre o parecer.

Para o pedido ser validado, por meio de voto secreto, dois terços do quórum presente na sessão da assembléia deve se manifestar a favor do impeachment. Se isso ocorrer, a decisão terá de ser referendada por maioria em assembléia de sócios do clube.

Em seis meses, o atual presidente acumula três pedidos de impeachment protocolados por conselheiros, indicador da complicada situação político-administrativa na qual se encontra o clube. O vice-presidente, Orlando Rollo, deu várias demonstrações públicas de que rachou com Peres.

Procurado pelo blog por meio de sua assessoria logo após a formalização da notificação, Peres não se pronunciou até a publicação do post. O presidente santista não tem comentado os pedidos de impeachment.


Críticas fazem Leila pedir a palavra pela 1ª vez no conselho do Palmeiras
Comentários 8

Eduardo Ohata

Leila Pereira, dona da Crefisa, pediu a palavra pela primeira na vez no conselho deliberativo do Palmeiras para rebater questionamentos da parte de colegas conselheiros. A sessão desta segunda-feira (25) que começou sob um clima festivo, à luz da declaração do ex-presidente da Fifa, Joseph Blatter, de que o Palmeiras tem um título mundial, rapidamente ficou pesado.

Quem capitalizou sobre as declarações de Blatter foi o ex-vice de futebol Roberto Frizzo, que ''pilotou'' o projeto que culminou no reconhecimento do título pela Fifa. Frizzo ouviu palavras de incentivo para novas ações junto à Fifa, que posteriormente passou a ignorar o título da Copa Rio como Mundial, e estímulos para conversar com o presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte, para que o uso da estrela vermelha, que simboliza a conquista de 1951, seja estendida aos uniformes secundários.

O presidente Mauricio Galiotte fez um apanhado geral, elogiou o futebol profissional e enalteceu a equipe sub-17 do clube, que conquistou no início do mês o título mundial sobre o Real Madrid. Todos os conselheiros presentes foram homenageados com medalhas referentes à conquista da base em uma espécie de rito. O mandatário aproveitou para falar sobre a filosofia que levou o time principal a um papel de protagonismo no Campeonato Brasileiro e na Libertadores.

Mas o clima festivo mudou radicalmente após conselheiros pedirem a palavra e questionarem a Crefisa e os resultados do departamento de futebol.

O conselheiro José Corona, eleito pelo grupo do presidente Mustafá Contursi, discordou da filosofia, dos resultados das contratações, do papel de protagonismo, que a seu ver viria só com a conquista de títulos, da querela do clube com a Federação Paulista de Futebol e, finalmente, do aditamento no contrato de patrocínio da Crefisa, que transformou o que seriam doações para contratações e pagamentos de salários na casa dos R$ 100 milhões em empréstimo (o caso ainda está sob análise no Conselho de Orientação e Fiscalização do clube). Por fim, argumentou que durante a gestão de Arnaldo Tirone e Roberto Frizzo, com menos dinheiro e sem estádio, que à época estava em obras, a equipe do Parque Antarctica conquistou o título da Copa do Brasil.

Logo na sequência, quem pediu a palavra foi Ricardo Galassi, oriundo do grupo de Paulo Nobre, que, embora em um tom mais comedido e sem fazer juízo de valores, insistiu na tecla de que os conselheiros deveriam ter acesso ao aditamento do contrato da Crefisa e ouvir explicações detalhadas da patrocinadora.

O terceiro a falar foi Paulo Estevão, em linha com Mauricio Galiotte, elogiou a atual gestão, confirmou que o time, vive, sim, papel de protagonismo e, no que foi interpretada como uma ironia à gestão ex-presidente Mustafá Contursi, disse que acabou a era do time ''barato e ruim''.

Apesar de não estar inscrita para falar, Leila pediu a palavra como um direito de resposta, por a Crefisa ter sido citada. Ela reiterou por algumas vezes que a doação foi transformada em empréstimo depois da uma denúncia à Receita Federal, mas não mencionou nomes. Aliados de Leila citam o ex-presidente Mustafá Contursi, ex-padrinho político de Leila, como autor da denúncia, mas ele já negou ter sido o autor da tal denúncia.

Depois de citar que a denúncia fez a Crefisa sofrer uma multa milionária, Leila, de forma firme e enfática, perguntou se quem estava criticando a Crefisa estaria disposto a colocar o mesmo dinheiro do patrocínio da financeira no clube se ela deixasse o clube do Parque Antarctica. Leila aproveitou para rebater e alfinetar Corona ao citar que foi durante a gestão de Tirone, outro ex-aliado de Leila, que a equipe do Parque Antarctica foi rebaixada à segunda divisão.

Àquela altura o clima já estava bastante tenso pelo rumo que a discussão ia tomando, Corona pediu a tréplica, que lhe foi negada, e um quarto conselheiro, Reinaldo Palazzi, em tom apaziguador, pediu o fim da sessão, no que foi acolhido pelo presidente do conselho deliberativo, Seraphim del Grande.

Ao fim da reunião, os conselheiros foram chamados para comer uma pizza, convite que foi prestigiado majoritariamente por aliados de Leila. Por outro lado, conselheiros afinados com Paulo Nobre, Mustafá Contursi e Genaro Marino, potencial candidato à presidência, deixaram o local.


Com Ceni, Fortaleza fecha contrato de TV aberta e pay-per-view com a Globo
Comentários 3

Eduardo Ohata

O Fortaleza, líder da classificação da Série B dirigido por Rogério Ceni, fechou contrato de direitos de transmissão com a Globo na TV aberta e pay-per-view refente às edições de 2019 a 2024 do Campeonato Brasileiro. É o sexto clube a ter assinado na TV fechada com o Esporte Interativo que acerta as demais mídias com a Globo. A Globosat fechou também com o CSA, completando no seu rol de contratados do G4 da Série B, que conta ainda com Avaí e Figueirense.

''O contrato está condicionado à nossa presença na Série A, sob as mesmas condições de outros clubes que assinaram com a Globo, com 40% da receita dividida de forma equalitária, 30% de acordo com performance e 30% definidos pela exibição'', explicou ao blog Marcelo Paz, presidente do Fortaleza. ''Estar na TV aberta dá uma boa visibilidade para o patrocinador, e o pay-per-view representa uma boa fatia da renda, levando em conta que nosso torcedor costuma consumir nosso produtos [está previsto que a renda do pay-per-view será distribuída de acordo com a representatividade do torcedor de cada clube].''

Se as séries A e B do Brasileiro terminassem com a classificação atual e levando em consideração os clubes que estariam subindo e sendo rebaixados, o Palmeiras seria o único time na Série A de 2019 a não ter assinado com a Globo na TV aberta e no pay-per-view.

Hoje, alem do Fortaleza, subiriam para a elite do futebol brasileiro Avaí, Figueirense e o CSA. Cairiam para a Série B Paraná, Ceará, Atlético-PR e Bahia. Os dois últimos fecharam a transmissão na TV paga com o Esporte Interativo e, por enquanto, não assinaram com nenhuma TV aberta, e tampouco aceitaram a verba de compensação prometida pelo canal da Turner a quem ficasse sem contrato com uma TV aberta.

Quando o ano começou, a Globo ainda não havia fechado a TV aberta e o pay-per-view com o São Paulo, que já tinha acertado a TV por assinatura com a Globosat, com o Internacional, que havia assinado com o Esporte Interativo pelo biênio 2019/2010 e com o Grupo Globo de 2021 a 2024, e o Santos.

No início do duelo entre Grupo Globo e Esporte Interativo pelos direitos do Brasileiro a partir de 2019, cartolas de clubes que negociavam com o canal da Turner disseram temer algum tipo de represália da parte da Globo. Porém, a Globo já fechou com diversos clubes que assinaram com o Esporte Interativo.


Rede TV! fecha contrato para exibir partidas da Premier League na TV aberta
Comentários 13

Eduardo Ohata

A Rede TV! fechou contrato para exibir partidas da Premier League na TV aberta. A informação foi revelada pelo ''Meio & Mensagem'' e confirmada pelo blog.

O blog apurou que o acerto de exclusividade na TV aberta contempla um ano de sublicenciamento, com a exibição de uma partida por semana, e que começa a valer na temporada 2018/2019. A primeira rodada do Campeonato Inglês está prevista para o fim de semana do dia 11 de agosto.

Para a Rede TV! garantir o direito de exibir partidas do campeonato, foi fechado um acordo de sublicenciamento com a ESPN do Brasil, que renovou em junho do ano passado por cinco anos os direitos para todas as mídias no território brasileiro do badalado Campeonato Inglês.

A Rede TV! tinha, até o ano passado, os direitos da Série B do Brasileiro, mas acabou não renovando. A emissora mantém em sua grade outras atrações esportivas, como a Superliga de vôlei.

A Premier League é o principal campeonato para a ESPN no Brasil. Trata-se do torneio com maior audiência da emissora. O Espanhol registra os maiores ''picos'', especialmente quando se enfrentam Barcelona e Real Madrid, mas como é um torneio compartilhado com a Fox Sports, na média o Inglês, exclusivo da ESPN, ainda registra a maior audiência.

Além da atraente qualidade técnica do torneio, operacionalmente a Premier League é encarada como um bom investimento pelos canais de esporte da TV por assinatura. Como muitas partidas são disputadas em horários alternativos, que não encavalam com partidas de outros europeus ou com os do Brasileiro, eles são encarados como boa alternativa para preencher as grades.


São Paulo derrota recurso de ação milionária de ex-CEO do clube
Comentários 5

Eduardo Ohata

A Justiça do Trabalho julgou improcedente recurso da ação na qual o ex-CEO do São Paulo, Alex Bourgeois, pedia indenização superior a R$ 1 milhão referentes a quase três meses de trabalhos prestados ao clube.

Bourgois, indicação de Abílio Diniz ao então presidente Carlos Miguel Aidar, havia recorrido da ação que o São Paulo ganhara na 85ª Vara do Trabalho de São Paulo.

Os pedidos de multa prevista no art. 479 da CLT e da remuneração atrasada foram julgados improcedentes: ''Esses pleitos são improcedentes pois tem como fundamento a existência de relação empregatícia. Não foi reconhecido neste julgamento o vínculo de emprego. Aliás, foi reconhecido que a prestação de serviços deu-se por meio de empresa constituída pelo reclamante. Essa modalidade de contratação não está sujeita à disciplina do art. 479 da CLT. Também não procede o pedido de pagamento de salários atrasados pois não foi reconhecido o liame empregatício''.

A compensação por danos morais foi também novamente derrubada no julgamento do recurso: ''No presente caso o reclamante não produziu prova de eventual ato ilícito que pudesse gerar dano moral… Tal situação por certo gera dissabores mas não é suscetível de gerar grave repercussão moral''.

Bourgeois, porém, conseguiu que um de seus pleitos fossem atendidos ao ser excluído pela Justiça do pagamento dos honorários advocatícios referentes ao caso.

Ainda cabe recurso.

Procurado pelo blog, Alex Bourgeois não retornou o contato até a publicação do post.

Tags : São Paulo