Blog do Ohata

Lateral vice da Sul-Americana fica próximo de fechar com o Bahia
Comentários Comente

Eduardo Ohata

Com Roberto Oliveira, colaboração para o UOL, em Recife

O lateral direito Régis, vice-campeão da Sul-Americana em 2013 com a Ponte Preta, negocia com o Bahia e está próximo de fechar com o clube.

À época em que estava no time de Campinas, Régis foi elogiado por Jorginho, então na Ponte Preta e hoje técnico do Bahia. A tratativa foi confirmada ao blog pelo agente que intermedeia as conversas do atleta com o clube, Thalisson Siqueira.

Confirmada a contratação, o contrato do lateral permanecerá no clube até o final do ano.

Como de costume, o Bahia afirmou que não comenta contratação antes de oficializá-la, mas admitiu que está à procura de um lateral-direito desde a lesão no joelho de Wellington Silva, que passou por cirurgia há cerca de 10 dias. O jogador deve ficar ao menos dois meses em recuperação.

Hoje, Eduardo é o único lateral-direito de ofício à disposição de Jorginho.

Tags : Bahia


Decepcionado com governo da Bahia, Popó fará luta de despedida em Belém
Comentários 1

Eduardo Ohata

O ex-bicampeão Popó, 41, fará sua luta de despedida em 21 de outubro, em Belém (PA). O baiano explica que um dos motivos para não disputar seu último combate em seu Estado é a falta de apoio durante sua carreira.

''Já fui patrocinado até pelo governo de Goiás, mas nunca recebi apoio do governo da Bahia, então não tem porquê fazer essa luta aqui'', justifica Popó, que conquistou cinturões mundiais nas categorias superpena e leve. ''Além disso, foi um pedido do meu treinador, Ulisses Pereira, que é de Belém, eu fazer meu último combate lá. Quis atender pelo tempo que estamos juntos, mas faltava me reunir com o governo do Estado, e agora batemos o martelo para a luta acontecer na semana da comemoração do Sírio de Nazaré.''

Para sua última luta, Popó quer um adversário mexicano, por conta do estilo brigador. A mais recente luta do ex-campeão aconteceu em agosto de 2015, uma vitória por nocaute sobre o argentino Mateo Damian Veron.

Seu filho Igor, que lutava mas parou, não subirá ao ringue na programação.

''Tenho orgulho do conjunto da minha carreira. Quem ficou oito anos no topo? Aliás, aqui no Brasil, ainda me considero no topo. Quem desde que eu parei teve o número de nocautes consecutivos que eu tive? O número de lutas? O mesmo tempo invicto? Defesas de título? Torço para que surja alguém, mas quando? Quando?'', pergunta, de forma retórica, Popó.

O brasileiro tem um cartel de 40 vitórias, 34 nocautes, e 2 derrotas. Ele venceu as primeiras 29 lutas por nocaute, unificou os títulos dos superpenas e posteriormente conquistou o cinturão dos leves.

 

 

 

Tags : Popó


‘Curinga da Vila’, técnico Elano decreta fim das improvisações no Santos
Comentários 7

Eduardo Ohata

Quando em atividade como jogador, Elano, que dirige o Santos hoje frente ao Botafogo como técnico interino, ficou conhecido como o ''Curinga da Vila'', apelido com o qual é lembrado por muitos até hoje.

Por isso mesmo, não deixou de ser percebida com certa ironia sua promessa do fim de jogadores em posições que não são as de origem, como fazia Dorival Junior, que improvisou o meia Jean Motta e o atacante Copete na lateral-esquerda. ''Não gosto de deixar ninguém fora de posição. Isso permite cobrar o atleta na posição que ele gosta de jogar, e eu cobro mesmo'', argumentou Elano.

Foi após vencer o Campeonato Brasileiro de 2002, jogando na meia, que Elano ganhou o apelido de ''Curinga da Vila'', pela versatilidade para jogar em outras posições.

Na verdade, o apelido foi herdado de Lima, do Santos bicampeão mundial e que só não jogou no gol porque o arqueiro improvisado do time, quando necessário, era ninguém menos do que Pelé.

Sob o comando de Emerson Leão, mas também com Vanderlei Luxemburgo, Elano atuou como volante, atacante e lateral-direito. Só em 2003, ele atuou nessas posições ao longo da temporada, o que se repetiu até 2005, quando partiu para o Shakhtar Donetsk.

Como o Santos já acertou com Levir Culpi, a partida de hoje deve ser a primeira e, por ora, única partida de Elano no comando do Santos.

O fato é que o clube é tido como um dos maiores formadores de atletas e, o que é dado pouca atenção, treinadores. Dentre os 11 técnicos com títulos de expressão no clube, seis foram atletas do próprio Peixe ou iniciaram a carreira na Vila Belmiro: Bilu (Paulista-35), Lula (bimundial 62-63), Antoninho (Recopa Mundial de 68), Pepe (Paulista-73), Formiga (Paulista-78) e Marcelo Fernandes (Paulista-15). O clube também deu oportunidade e lançou Claudinei Oliveira (Avaí), Marcio Fernandes (XV de Piracicaba), Marcelo Martelotte (dirigiu Santa Cruz, Sport e Paraná) e Narciso (dirigiu Penapolense e XV de Piracicaba).

Se o time corresponder contra o Botafogo isso provará eventuais erros de Dorival ou a competência e visão de Elano? O tempo dirá.

Mas apostar em ídolos no banco pode, sim, dar certo.

Afinal, qual time Zidane dirigiu antes de se consagrar bicampeão da Europa com o Real Madrid?


Premier League antecipa leilão e acirra briga por direitos esportivos na TV
Comentários 14

Eduardo Ohata

A Premier League surpreendeu executivos de TV ao fixar o próximo dia 14 como prazo para apresentação das propostas para seu leilão pelos direitos de transmissão do Inglês a partir de 2019. O leilão acirra ainda mais a disputa por direitos esportivos que se estenderá pelos próximos meses, já que estarão em disputa nesse período os direitos da Champions, Libertadores e partidas oficiais da seleção.

No Brasil, a ESPN detém os direitos da Premier League até 2019 e exibe suas partidas com exclusividade na TV por assinatura.

Os direitos da Premier League são encarados por executivos das TVs como um ativo valioso por motivos que extrapolam a qualidade técnica das partidas. Atrai também os horários diferenciados de vários de seus jogos que não ''encavalam'' com partidas do Brasileiro ou as de outros campeonatos europeus, o que gera opções na hora de se montar a grade de programação.

Entre aqueles que foram pegos de surpresa pelo anúncio do leilão e correm para preparar sua oferta prevalece a tese de que a Premier League se antecipou à batalha por direitos esportivos que acontecerá nos próximos meses.

Quem negocia pelas emissoras reconheceu que ''não dá para comprar tudo''. A abundância de competições no mercado ao mesmo tempo não deixa  nenhum canal a cabo confortável. No caso da própria Premier League, já há emissora que há poucos meses demonstrava interesse em apresentar proposta pela competição, mas agora cogita nem fazer oferta.

Nesse cenário de tantos players dos dois lados do balcão, não apenas os canais que disputam direitos, mas os representantes das competições também estarão observando a reação do mercado, quem irá fazer propostas e como elas serão.


CBF fecha com TV Cultura transmissão dos amistosos da seleção na Austrália
Comentários 20

Eduardo Ohata

A CBF fechou com a TV Cultura a transmissão na TV aberta dos amistosos da seleção na Austrália, contra Argentina e Austrália, nos próximos dias 9 (sexta-feira) e 13 (terça-feira), em Melbourne.

Ambas acontecem às 7h (de Brasília).

As partidas, produzidas pela própria CBF, terão narração de Nivaldo Prieto e comentários de Pelé e Denilson.

No mercado, a opinião é a de que a CBF já conseguiu um de seus objetivos: chamar atenção do grande público aos dois amistosos, pelo espaço que a polêmica com a Globo ganhou na mídia.

Sob o comando de Tite, a seleção enfrentará seu tradicional rival, que estreia novo treinador, Jorge Sampaoli, que deixou o Sevilla.

No segundo amistoso, o Brasil, atual líder do ranking da Fifa, enfrenta a seleção local, 48ª na mesma lista.

A confederação já havia tentado parceria com a Band e a Record, mas acabou não chegando a um acordo com as duas emissoras de TV aberta.

A confederação, porém, já havia garantido a transmissão em um TV, ao adquirir espaço na grade da TV Brasil para a transmissão das duas partidas.

A CBF procura ainda parceiros entre as emissoras de TV por assinatura voltadas ao esporte para a transmissão das partidas. Ao menos uma delas confirmou ao blog que foi procurada pela confederação.

Os jogos também serão transmitidos via mídias sociais por dois patrocinadores da CBF, Itaú e Vivo.

A CBF e Globo, que vinha transmitindo os jogos da seleção, não chegaram a um acordo comercial. A confederação, então, levou os amistosos ao mercado.

 


Entenda por que Globo não entrou em disputa forte por amistosos da seleção
Comentários 7

Eduardo Ohata

''A Globo prefere atacado, e não varejo''. Essa frase do diretor de direitos esportivos da Globo, Fernando Manuel Pinto, explica o motivo que levou a emissora a não entrar em uma briga forte pelos direitos dos amistosos da seleção, contra Argentina e Austrália, nos dias 9 e 13, em Melbourne. E também deixa transparecer que foi uma questão financeira que inviabilizou a transmissão dos jogos pela Globo.

Após a negociação da CBF chegar a um impasse com a Globo, a confederação comprou espaço na grade da TV Brasil para transmissão da partida, levou negativas da Band e Record, negocia com uma terceira emissora de TV aberta e com canais de esporte na fechada.

O blog questionou o executivo sobre a polêmica que passou a envolver os dois amistosos da seleção, CBF e Globo. Mas Fernando Manuel, diplomático em relação à confederação, evitou se referir de forma específica aos amistosos da seleção brasileira.

''O Grupo Globo, assim como outros players de mídia que investem em direitos mundo afora, de fato valoriza as discussões de aquisição no atacado e não no varejo'', argumentou ao blog o executivo. ''As propriedades se tornam mais interessantes quando contratadas com antecedência e por ciclo de competições, às vezes de seis anos, como fizemos com o Brasileiro [de 2019 a 2024], Copa do Brasil, Copa do Mundo e Olimpíada.''

O blog o questionou sobre o caso dos dois amistosos da seleção e, de novo, Fernando Manuel, evitou citar especificamente os dois jogos que vem causando polêmica com a CBF. Mas a explicação claramente cabe à situação.

''Em negociações pontuais muitas vezes não se consegue sequer mensurar, planejar e construir o retorno esperado ao investir nos direitos, além de não trazer a necessária segurança de que você estará 'regando no lugar certo para colher os frutos esperados depois'. Só o longo prazo, com antecedência e preparação, traz isso'', apontou o executivo, ao fazer uma ressalva. ''Isso não significa que não fazemos acordos pontuais, claro que fazemos, mas especialmente em produtos de alto investimento levamos em consideração o quão estratégico será, na venda do conteúdo aos patrocinadores e anúncio ao público, poder falar, 'olha, tenho essa propriedade no meu portfólio até 2024', por exemplo.''


CBF põe amistosos da seleção no mercado, mas não chega a acordo com Record
Comentários 17

Eduardo Ohata

A Record foi procurada por representantes da CBF, que ofereceram os direitos de transmissão dos amistosos da seleção com a Argentina e a Austrália, nos próximos dias 9 e 13, em Melbourne. Porém emissora e entidade acabaram não chegando a um acordo.

Os dois amistosos já haviam sido oferecidos à Band, que desistiu de exibi-los. Na TV aberta, até o momento, a transmissão está garantida pela TV Brasil, onde a CBF comprou um espaço para a transmissão.

Um obstáculo para um negócio desse porte ser fechado de última hora é que o pouco tempo até as partidas dificulta a captação da parte das emissoras de patrocinadores no mercado.

A busca da CBF por parceiros para a transmissão da partida, que no Brasil acontece no período da manhã, não se limita à TV aberta.

Entre as TVs por assinatura, pelo menos uma emissora confirmou ao blog ter recebido proposta da CBF.

As partidas também serão transmitidas por mídias sociais de patrocinadores da confederação.

A Globo, que vinha transmitindo as partidas da seleção com exclusividade e com quem a CBF negociava até o início de segunda-feira, não exibirá os amistosos, como revelou nesta segunda-feira reportagem da ''Folha de S.Paulo''.

Desde o jogo da amizade, entre Brasil e Colômbia, há ruído na relação entre CBF e Globo. Naquela oportunidade, o sinal do jogo foi oferecido gratuitamente pela CBF a todas as emissoras.


Eliminação na Copa do Brasil é gatilho para fim da unanimidade de Galiotte
Comentários 12

Eduardo Ohata

Uma eventual eliminação da Copa do Brasil na partida de hoje, frente ao Internacional, funcionará como gatilho para o fim da unanimidade em relação ao presidente palmeirense, Mauricio Galiotte, no clube.

É quase certo que um mau resultado refletirá na reunião do Conselho de Orientação Fiscal do mês de junho.

Membros experientes do COF têm nas mãos balancete que aponta gastos da ordem de R$ 25 milhões mensais com o departamento de futebol, além de contabilizar o investimento feito no futebol para a temporada foi o maior da América do Sul, graças à patrocinadora do clube, e os polpudos salários dos jogadores.

O que já questionam, entre si por enquanto, como aconteceu em um grupo de dez conselheiros que prestigiaram a festa de aniversário do colega Roberto Frizzo nesta segunda-feira, é a relação custo/benefício. Foi fortemente questionada, por exemplo, a declaração de Dudu de que ''Libertadores é obsessão''. A leitura que fizeram foi que se tratou de uma estratégia para desviar o foco.

A unanimidade ao redor de Galiotte se mantém até agora por alguns motivos: além de ter evitado uma possível crise com a Crefisa, as partidas do Palmeiras tem registrado as maiores bilheterias, público, além de o clube contar com o maior número de sócios-torcedores (126 mil), contar com um centro de excelência de ponta, além de pagar os jogadores em dia.

No gramado, porém, o lado torcedor dos conselheiros aflora. Um grande número não superou a eliminação no Paulista para um time considerado médio, ao mesmo tempo em que o rival Corinthians levantou a taça.

Pior, irrita a evolução do Corinthians no Nacional e na Sul-Americana, com investimento bem inferior. Há também o temor do possível efeito das piadas publicadas nas redes sociais que tem a dona da Crefisa, Leila Pereira, como um dos alvos preferidos a cada resultado negativo do time.

Não. Uma eliminação nesta quarta-feira não derrubará Cuca ou dirigente. Mas há indícios de que marcará o início do fim da calmaria nos bastidores do Parque Antarctica.


Band desiste de transmitir amistosos da seleção na Austrália
Comentários 28

Eduardo Ohata

A Band não exibirá mais os amistosos da seleção brasileira em junho, contra Argentina e Austrália, nos dias 9 e 13, em Melbourne, na Austrália.

Fazia parte dos planos da CBF que as duas partidas tivessem exibição na TV Brasil, onde a confederação comprou horário para a transmissão, e também na Band.

O jogo também terá transmissão em plataformas digitais (Facebook) da confederação, com narração de Nivaldo Prieto, da Fox Sports, e comentários de Pelé.

A decisão da CBF aconteceu após não ter chegado a um acordo comercial com a Globo, com quem ainda conversava no fim de semana passado e início desta semana a fim de viabilizar a transmissão.

No jogo entre a seleção brasileira e a Colômbia, em homenagem às vítimas do vôo da Chapecoense, Globo e CBF já haviam discordado sobre questões relacionadas aos direitos de transmissão e não chegaram a um acordo.


Esporte Interativo se torna calcanhar de Aquiles de negócio de R$ 7 bilhões
Comentários 16

Eduardo Ohata

O canal Esporte Interativo, que disputa com a Globo os direitos na TV fechada do Brasileirão, se tornou o ''calcanhar de Aquiles'' da milionária fusão entre a Warner e a AT&T no Brasil.

A Warner é proprietária do grupo Turner, que por sua vez é dono do Esporte Interativo. Já a AT&T é a controladora no Brasil da operadora Sky, segunda maior força no setor de TV por assinatura, com mais de 5,3 milhões de assinantes.

No Brasil, Sky, mais HBO e Turner, em um cálculo conservador, devem faturar por ano mais de R$ 7 bilhões. Juntas, AT&T e Warner faturam mais de US$ 300 bilhões em todo o mundo.

Porém a fusão aguarda o aval das autoridades regulatórias no Brasil, no caso Cade e Anatel, que analisam a existência de um conflito de interesse. A Warner Brothers está à frente do caso pelo lado das emissoras.

O blog havia apontado em outubro passado que a aquisição da Time Warner pela gigante da comunicação AT&T respingaria no Esporte Interativo.

O artigo 5 da Lei do SeAC, que versa sobre ''propriedade cruzada'', dita que uma operadora não pode ter controle sobre conteúdo. Ou seja, ambas não podem ter o mesmo proprietário.

Em nota técnica enviada ao Cade, a Ancine posicionou-se a favor do veto da aquisição da Time Warner pela AT&T no Brasil.

A defesa da fusão alega que o grupo não tem operações de programação no Brasil, apenas ''representações comerciais'', e cita canais como a CNN, o TNT ou o Cartoon, que apenas retransmitiriam a programação original. Embora a dublagem/legendagem e inserção de comerciais locais já abra brecha para discussão da validade desse argumento.

Mas tal argumento é desmontado pela presença do Esporte Interativo no portfólio de canais da Turner, já que narração e comentários são produzidos no Brasil – fora o fato de que o canal negocia diretamente com clubes de futebol daqui os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro a partir de 2019.

O que não deixa de ser uma grande ironia: antes, o problema da Turner era justamente não poder contar com um canal esportivo em seu cardápio, item considerado valioso em toda negociações com operadoras e também com o mercado anunciante.

Há no momento três caminhos especulados mais fortemente pelo mercado:

1) Venda do Esporte Interativo para algum outro grupo que não exerça atividade de distribuição;

2) Retirada do canal das operadoras e distribuição nas plataformas digitais;

3) Exibição jogo a jogo via aplicativos (venda avulsa)

As questões que surgem especialmente no caso de materialização do primeiro cenário são várias: os contratos podem ser repassados a outro canal no caso de aquisição por outro grupo, ou há cláusulas que impedem que isso aconteça? Os times que fecharam com o Esporte Interativo poderiam rescindir os contratos sob a alegação de que não querem perder a ''janela'' da TV por assinatura (para serem distribuídos exclusivamente via internet)?